"Beebo", que roubou um avião em Seattle, era um tipo simpático e que gostava de viajar

A família e os amigos lembram-no como "um homem afável e sensível". Ninguém imaginava Richard Russell de 29 anos, capaz de fazer algo assim.

"Pode ser difícil de imaginar para quem vê as imagens na televisão, mas Beebo era um homem afável e sensível", afirmou a família de Richard Russell, o homem que este sábado roubou um avião em Seattle, acabando por se despenhar e morrer. "Era um marido fiel, um filho amoroso e um bom amigo. Um amigo de infância sublinha que Beebo era amado por todos porque era simpático e gentil para todas as pessoas que conhecida."

No comunicado, lido por um amigo da família, recorda-se ainda que na gravação da conversa entre Richard Russel e os controladores aéreos, é possível perceber que ele não tinha intenção de magoar ninguém.

No seu blog pessoal, Richard Russell (Beebo para os amigos) conta como sonhava viajar até ao Alasca e como era apaixonado por viagens e pela mulher, Hannah. Num vídeo quee publicou em dezembro do ano passado fala um pouco do seu trabalho e das viagens que gostou de fazer:

Rick Christenson, um antigo colega de trabalho, lembra Richard como "um tipo calmo", que "parecia ser apreciado pelos outros trabalhadores". "Isto é um choque enorme para nós", afirmou a família. "Estamos arrasados."

A polícia está neste momento a investigar como foi possível um empregado de uma companhia aérea, com tendências suicidas, roubar um avião do aeroporto internacional de Seattle-Tacoma e pilotá-lo durante mais de uma hora até se despenhar.

Russel, de 29 anos, foi sujeito a um exame médico quando contratado pela Horizon Airlines em fevereiro de 2015 e depois a exames regulares de dois em dois anos, mas não foi detetado nada de anormal. Na conversa que teve com os controladores aéreos Richard Russell admite que é "apenas um tipo destroçado".

A polícia acredita que Richard Russell se aproveitou do facto de ter acesso aos aviões devido ao seu trabalho - que incluía limpeza e reboque das aeronaves, assim como o transporte de bagagens. No entanto, o presidente da Horizon, Gary Beck, está intrigado com onde é que ele terá aprendido a pilotar um avião.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.