Bebé de nove meses encontrada 24 anos depois de desaparecer

Aleacia Stancil desapareceu em dezembro de 1994 e atualmente vive com a sua avó

Uma jovem norte-americana foi encontrada 24 anos depois de ter sido dada como desaparecida.

Em dezembro de 1994, Toni Stancil, que integrou a força aérea norte-americana e tinha um passado marcado por drogas e prostituição, entregou a filha Aleacia a uma amiga com a justificação de que precisava de "limpar a cabeça". A progenitora voltou dois dias depois para ir buscar a criança, mas ninguém sabia onde estava a menor.

O portal ​​​​​​AZFamily.com indica que a menina foi passada de pessoa para pessoa, até ser entregue às autoridades sem que fosse possível identificá-la. Acabou por ser entregue aos cuidados dos Serviços de Proteção de Crianças norte-americanos, e só então foi adotada.

Toni foi detida pouco tempo após o desaparecimento da criança. Em março de 1995 denunciou a situação e no mesmo ano foi assassinada, dificultando o caso aos investigadores devido à falta de testemunhas.

Em 2008, uma equipa de detetives contou com a colaboração do Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas dos EUA para a obtenção de novas informações. Com base em informações recolhidas, e através do ADN da família, foi possível desenvolver um perfil para a menina desaparecida. O software utilizado pelos detetives também foi utilizado para criar fotos de progressão de idade que permitiram descrever a criança como se possa parecer atualmente.

Em 2014, a jovem deslocou-se ao hospital de Connecticut, nos EUA. O facto de a jovem desconhecer a sua identidade e revelar poucos dados sobre a sua origem levantou suspeitas por parte de uma das enfermeiras, que através de uma pesquisa na Internet encontrou uma imagem de uma criança desaparecida há 24 anos, juntamente com um retrato que revela a sua evolução até aos dias de hoje.

A enfermeira chamou a polícia e foi realizado um teste de ADN. Três anos depois, confirmou-se que os resultados correspondiam à menina desaparecida.

Hoje, Aleacia Stancil vive com a sua avó, Frances Ford, e conta com um nome diferente. Procura manter-se afastada da fama, uma vez que teve uma vida agitada envolta em mistério.

"Eu gostaria que o mundo soubesse que estas coisas podem acontecer com as crianças, e nem todas as histórias têm finais felizes, e isso não significa que elas vieram de alguém que não as queria ou não se preocupou com elas", conta Frances Ford.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.