Bashar al-Assad quer reunir-se com Kim Jong-un em Pyongyang

A realizar-se, será a primeira vez que Kim Jong-un recebe um Presidente no seu país, se não contarmos com o encontro de maio entre Kim Jong-un e Moon Jae-in​​​​​

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, quer reunir-se com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em Pyongyang, segundo informou hoje a agência estatal KCNA.

"Quero viajar para a República Democrática Popular da Coreia e reunir-me com a sua excelência Kim Jong-un", referiu Bashar al-Assad ao novo embaixador norte-coreano em Damasco, Mun Jong-nam.

A realizar-se, será a primeira vez que Kim Jong-un recebe um Presidente no seu país, se não contarmos com o encontro surpresa entre os líderes da Coreia do Norte e da Coreia do Sul, em maio, na chamada Zona de Segurança Conjunta.

Entre março e abril, o líder norte-coreano reuniu-se na China duas vezes com o Presidente chinês, Xi Jingping, após as tensões provocadas pelo apoio de Pequim à aplicação de sanções económicas da ONU a Peyongyang.

Está ainda previsto que a 12 de junho se realize um encontro entre Kim Jong-un e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, onde deverá debater-se a possibilidade de desnuclearização da Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".