Banqueiros proibidos de entrar neste restaurante

À porta do estabelecimento lê-se que os cães podem entrar, mas os banqueiros ficam à porta

O proprietário do "Les Ecuries de Richelieu", em Rueil-Malmaison, arredores de Paris, não quer banqueiros dentro do seu restaurante. "Trataram-me como um cão", afirma ao jornal "The Local". Por isso, decidiu dar-lhes o mesmo tratamento que muitos empresários da restauração dão aos cães: proíbe-os de entrar.

"Cães aceites. Banqueiros proibidos", lê-se num quadro de ardósia colocado à porta do restaurante, o qual refere que para o fazerem terão de pagar 70 mil euros.

Esta é a vingança de Alexandre Callet, 30 anos, pelas recusas de vários bancos em dar-lhe um empréstimo nesse valor para abrir um segundo restaurante. O empresário considera que a quantia é irrisória, tendo em conta o volume de negócios do ano passado, na ordem dos 300 mil euros.

"Acredito na reciprocidade. Tinha de responder. Se me batem eu bato também", diz, salientando que se trata de um restaurante de qualidade, onde vão estrelas de cinema, e que consta do guia da Michelin.

Há há sete anos, quando tentou abrir este restaurante, Alexandre Callet teve problemas com a banca: teve mais de 20 negas até que um banco acedeu a fazer-lhe o empréstimo.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.