Bangladesh pede a Guterres ajuda para repatriar 'rohingyas'

Desde finais de agosto, cerca de 600 mil refugiados 'rohingya' chegaram ao Bangladesh, fugindo da Birmânia.

A primeira-ministra do Bangladesh, Seihk Hasina, pediu a colaboração do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, para que a Birmânia aceite repatriar cerca de 600 mil 'rohingyas' que chegaram a território do Bangladesh nas últimas semanas.

"A nossa primeira-ministra instou o secretário-geral da ONU a pressionar o Governo da Birmânia para acolher de volta os seus [cidadãos] nacionais", disse hoje o secretário de imprensa da chefe do Governo, citado pela agência espanhola de notícias EFE.

Segundo a mesma fonte, António Guterres convocou a líder do Bangladesh a discutir o êxodo da minoria muçulmana 'rohingya' e a primeira-ministra aproveitou a oportunidade para solicitar a implementação das propostas apresentadas no mês passado durante a Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) em Nova Iorque.

Desde finais de agosto, cerca de 600 mil refugiados 'rohingya' chegaram ao Bangladesh, fugindo da Birmânia.

Segundo o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), esses refugiados encontram-se numa zona de arrozais enquanto esperam os controlos das autoridades para serem transferidos para os principais acampamentos criados para acolhê-los.

Cerca de 60% dos refugiados 'rohingyas' são crianças, segundo dados da Unicef, que avisou que, se não receber em breve novas contribuições para acudir a esta emergência, terá de cortar a ajuda que disponibiliza.

Antes da operação militar de 25 de agosto, que motivou a atual fuga de 'rohingyas' para o Bangladesh, estimava-se que cerca de um milhão de 'rohingyas' vivia em Rakhine, onde são alvo de crescente discriminação desde o surto de violência sectária de 2012, que causou pelo menos 160 mortos.

A Birmânia não reconhece a cidadania aos 'rohingya' e há vários anos que lhes impõe severas restrições, incluindo a privação de liberdade de movimentos.

O Bangladesh, onde antes desta crise viviam cerca de 300 mil 'rohingyas', também trata os membros desta minoria como estrangeiros e até agora apenas cerca de 30 mil foram reconhecidos como refugiados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".