Bandeira tricolor passa a ser obrigatória nas salas de aula francesas

É "um magnífico símbolo para que a França seja mais querida", defendeu o deputado autor da iniciativa. Bandeira europeia e letra do hino nacional também serão colocadas nas salas.

Os deputados franceses votaram na madrugada de sábado uma disposição que torna obrigatória a presença das bandeiras de França e da União Europeia e da letra do Hino Nacional, A Marselhesa, nas salas de aula das escolas francesas - do ensino básico ao secundário.

A bandeira tricolor nunca foi obrigatória nas escolas francesas, segundo o jornal Libération, mas o autor da iniciativa, o deputado conservador Eric Ciotti, do partido Les Républicains, saudou a aprovação da proposta como "um magnífico símbolo para que a França seja mais querida".

"A minha emenda que torna obrigatória a bandeira tricolor em cada classe das escolas da República foi definitivamente aprovada à uma da madrugada na Assembleia da República", escreveu Ciotti.

O projeto de lei inicial, que propunha criar "uma escola de confiança", apenas obrigava a ter a bandeira do país, mas a versão final da lei incluiu a bandeira europeia e o hino, relata o jornal espanhol El Mundo.

O ministro da Educação, Jean-Michel Blancher, ainda tentou travar uma proposta que é dispendiosa, defendendo que se poderia concretizar a iniciativa com uma opção mais barata que consistia em ter um cartaz com as duas bandeiras e o texto do Marselhesa. Sem sucesso.

Para Ciotti, o objetivo desta sua proposta é "reimplantar os valores da República" no centro da atividade escolar com o objetivo de servir como referência para os alunos e fomentar o "sentimento patriótico".

Na sua página do Twitter, o deputado explicou que "colocar a bandeira tricolor nas salas de aula" é uma forma de também de defender a "identidade" e os "valores" do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?