Bandeira dos EUA hasteada na Casa Branca menos de 48 horas após morte de McCain

John McCain, crítico feroz de Donald Trump, morreu sábado à tarde, aos 81 anos. O ex-senador do Arizona, candidato dos republicanos à presidência norte-americana, em 2008, será sepultado na Academia Naval perto de Anápolis, no Maryland

A bandeira dos EUA foi totalmente hasteada esta manhã na Casa Branca, em Washington, menos de 48 horas depois de anunciada a morte de John McCain. O senador republicano, de 81 anos, morreu no sábado à tarde, vítima de cancro no cérebro.

(ATUALIZAÇÃO: Da parte da tarde, Trump mandou voltar a colocar a bandeira a meia haste)

O facto de a bandeira norte-americana não continuar a meia haste foi notado esta segunda-feira por jornalistas e fotógrafos. Geralmente, a bandeira fica a meia haste em sinal de luto pela morte de um político importante até ao seu funeral.

O funeral de McCain, um crítico feroz da atuação de Donald Trump na presidência dos EUA, está marcado para domingo 2 de setembro. O corpo do ex-senador do Arizona estará em câmara ardente no Capitólio, em Washington, a partir de sexta-feira.

No Capitólio, porém, a bandeira dos EUA continuava esta segunda-feira a meia haste, notaram alguns media norte-americanos, como o site Politico.com.

Em 2009, aquando da morte do senador democrata Ted Kennedy, o então presidente norte-americano, Barack Obama, também ele democrata, ordenou que a bandeira da Casa Branca ficasse a meia haste durante cinco dias.

Tal como Trump, também McCain era republicano, mas isso não impediu troca de críticas e acusações durante todos estes anos. Segundo o jornal New York Times, o ex-candidato republicano às eleições de 2008, nas quais foi derrotado por Obama, não queria Trump no seu funeral. Antes preferia que o governo dos EUA estivesse representado pelo vice-presidente Mike Pence.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?