Baleeiros japoneses mataram 333 baleias em quatro meses

Os barcos voltaram ao mar no final do ano passado e após um ano de suspensão da atividade, depois de denúncias de outros países

Os navios japoneses, que iniciaram em dezembro a caça à baleia no Antártico, regressaram hoje com 333 cetáceos mortos, ao porto de Shimonoseki (sudoeste), indicou a agência governamental para a pesca.

Os baleeiros voltaram ao mar, no final do ano passado e após um ano de suspensão da atividade, devido a uma falha na moratória mundial de 1986 que tolera a investigação letal em mamíferos.

O Japão tinha sido obrigado a renunciar à campanha de 2014-2015, na sequência de uma decisão do Tribunal Internacional de Justiça que, após uma denúncia da Austrália, considerou que a atividade tinha fins comerciais.

As autoridades nipónicas apresentaram uma nova proposta à Comissão Baleeira Internacional (CBI), que prevê a captura de 3.996 baleias nas águas da Antártida nos próximos 12 anos, ou seja 333 por campanha contra perto de 900 no programa anterior.

O consumo de baleia tem uma longa história no Japão, país de pescadores onde o cetáceo foi caçado durante séculos. A indústria baleeira conheceu um enorme desenvolvimento com o fim da Segunda Guerra Mundial e as necessidades de um país faminto.

À medida que o Japão se transformou numa das economias mais ricas do mundo, o consumo desta carne diminuiu fortemente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.