Baleeiros japoneses mataram 333 baleias em quatro meses

Os barcos voltaram ao mar no final do ano passado e após um ano de suspensão da atividade, depois de denúncias de outros países

Os navios japoneses, que iniciaram em dezembro a caça à baleia no Antártico, regressaram hoje com 333 cetáceos mortos, ao porto de Shimonoseki (sudoeste), indicou a agência governamental para a pesca.

Os baleeiros voltaram ao mar, no final do ano passado e após um ano de suspensão da atividade, devido a uma falha na moratória mundial de 1986 que tolera a investigação letal em mamíferos.

O Japão tinha sido obrigado a renunciar à campanha de 2014-2015, na sequência de uma decisão do Tribunal Internacional de Justiça que, após uma denúncia da Austrália, considerou que a atividade tinha fins comerciais.

As autoridades nipónicas apresentaram uma nova proposta à Comissão Baleeira Internacional (CBI), que prevê a captura de 3.996 baleias nas águas da Antártida nos próximos 12 anos, ou seja 333 por campanha contra perto de 900 no programa anterior.

O consumo de baleia tem uma longa história no Japão, país de pescadores onde o cetáceo foi caçado durante séculos. A indústria baleeira conheceu um enorme desenvolvimento com o fim da Segunda Guerra Mundial e as necessidades de um país faminto.

À medida que o Japão se transformou numa das economias mais ricas do mundo, o consumo desta carne diminuiu fortemente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".