Aviso de inundações em Macau sobe para nível máximo

O sinal 10 de tempestade tropical, o máximo na escala de alerta, composta pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10, está içado em Macau desde as 11:00 (04:00 em Lisboa)

Os Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) de Macau elevaram este domingo para o nível máximo o aviso de "storm surge" [maré de tempestade], devido às fortes inundações nas zonas baixas da cidade.

Às 14:00 (07:00 em Lisboa), as autoridades emitiram o aviso preto, o nível máximo, substituindo o vermelho, em vigor desde às 21:00 locais de sábado. O Centro de Operações da Proteção Civil (COPC) indicou que o trânsito em algumas vias das zonas baixas da cidade foi cortado.

Em comunicado, o COPC explicou que as fortes inundações, que podem agora ultrapassar os 2,5 metros, podem comprometer o fornecimento de eletricidade nessas zonas, onde mais de cinco mil pessoas foram retiradas das habitações e mais de mil foram acolhidas nos 16 centros de abrigo do território.

O sinal 10 de tempestade tropical, o máximo na escala de alerta, composta pelos sinais 1, 3, 8, 9 e 10, está içado em Macau desde as 11:00 (04:00 em Lisboa).

Pelas 14:00, o tufão severo Manghkut encontrava-se a 80 quilómetros do território e encaminhava-se para a foz do rio das Pérolas, representando uma "grande ameaça" para Macau, segundo as últimas informações dos SMG.

O Mangkhut regista ventos constantes de 98 quilómetros por hora e rajadas que podem atingir os 157 quilómetros por hora, indicaram.

Depois de ter sido hasteado o sinal 9, às 09:00 (02:00 em Lisboa), o tabuleiro inferior da Ponte Sai Van, a última ligação possível entre a península de Macau e a Taipa, foi encerrado ao trânsito.

As pontes Nobre de Carvalho, Amizade, Flor de Lótus e Sai Van foram encerradas ao trânsito, quando foi hasteado o sinal 8, içado às 02:00 (19:00 de sábado em Lisboa).

O COPC indicou que sete pessoas tentarem atravessar a pé a ponte Nobre de Carvalho, tendo sido detidas pelo menos cinco. A proteção civil pediu à população que não cometa "atos irresponsáveis que possam sobrecarregar os trabalhos" de auxílio à população.

O COPC também deu conta de 62 incidentes provocados pela tempestade, entre quedas de árvores, janelas e andaimes.

A tempestade tropical, classificada já como a maior do ano, causou 25 mortos nas Filipinas e um em Taiwan, de acordo com o último balanço das autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.