Avião voou até ao olho do furacão Florence para captar imagens

Imagens do interior da tempestade foram divulgadas por agência norte-americana nas redes sociais

Um piloto ao serviço da administração oceânica e atmosférica dos EUA (com a sigla NOOA, em inglês) conseguiu na última segunda-feira voar até ao olho do furacão Florence.

O vídeo, divulgado pela agência, foi captado por Nick Underwood, engenheiro aeroespacial, a bordo do Lockheed WP-3D Orion usado pela NOOA.

A meteorologista Heather Holbach também seguia no voo de exploração do furacão e divulgou um vídeo do momento nas redes sociais, mostrando uma nova perspetiva da tempestade de categoria 4.

A NOOA costuma enviar aviões e pessoal da própria empresa, da NASA e da Força Aérea norte-americana para dentro de furacões, para dar a conhecer aos meteorologistas o seu interior e para eles terem uma ideia do que pode acontecer a seguir.

Para o efeito, as aeronaves, do modelo P-3, lançam pequenas sondas meteorológicas, com sensores, que são atiradas para dentro das tempestades e enviam os dados de volta para o aparelho.

O Centro Nacional de Furacões dos EUA estima que o Florence se torne numa tempestade perigosa até à noite da próxima quinta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.