Funcionário rouba avião no aeroporto de Seattle e despenha-se. Não estavam passageiro a bordo

O avião foi perseguido por F-15, antes de se despenhar no estreito de Puget

Um funcionário de uma companhia aérea roubou um avião vazio da pista do aeroporto de Seattle e realizou na sexta-feira uma "descolagem não autorizada", tendo-se despenhado pouco tempo depois.

Testemunhas relataram que o avião da Horizon Air foi perseguido por aviões militares, durante mais de meia hora, antes de se despenhar no estreito de Puget. Os F-15 sairam de uma base perto logo que se soube que um homem tinha fugido com um avião.

O homem de 29 anos realizou uma série de manobras perigosas e acabou por cair, depois de ter uma breve conversa com a torre de controlo.

Segundo a BBC, nas gravações que circulam, ouve-se o homem abordar temas como da orca que carrega a cria morta há 16 dias, ou sobre a possibilidade da Alaska Airlines lhe dar emprego como piloto se conseguisse aterrar com sucesso.

O acidente deveu-se a uma "série de acrobacias ou falta de conhecimento" do piloto, disseram as autoridades locais no Twitter. O xerife Paul Pastor disse à ABC7 que parece ter sido uma diversão que correu muito muito mal.

De acordo com a agência Associated Press (AP), as autoridades norte-americanas já descartaram qualquer ligação terrorista, afirmando que se tratou de suicídio.

A administração do Sea-Tac Airport, em Seattle, afirmou que as operações no aeroporto já haviam retomado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.