Avião para França evacuado em Amesterdão

O voo recebeu "ameaças" terroristas, através da rede social Twitter.

Um Airbus A321 com destino a França foi evacuado para ser revistado no aeroporto de Schipol, em Amesterdão, depois de o voo ter recebido "ameaças" terroristas, através da rede social Twitter.

"Levamos sempre as ameaças muito a sério e decidimos retirar os passageiros e revistar o aparelho", disse à imprensa um porta-voz da polícia holandesa, Dennis Muller.

As autoridades não precisaram, até ao momento, que companhia operava o voo, cuja partida estava prevista para as 13:45 (hora de Lisboa).

A Holanda anunciou um reforço do controlo nas fronteiras, aeroportos e estações de comboio, "em particular nas ligações a França", na sequência dos atentados em Paris.

Pelo menos 128 pessoas morreram, entre as quais um português, e 300 ficaram feridas, 80 em estado grave, nos atentados em paris, na noite de sexta-feira.

Oito terroristas, sete deles suicidas, que usaram cintos com explosivos para levar a cabo os atentados, morreram, segundo fontes policiais francesas.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da capital francesa, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.