Destroços do avião militar francês encontrados. Polícia e Força Aérea procuram os dois pilotos

Mirage 2000D, da base aérea de Nancy-Ochey, desapareceu dos radares. Autoridades dizem que aparelho não estava armado nem tinha reservatório de combustível suplementar. Os destroços foram encontrados perto da fronteira com a Suiça.

Um caça francês Mirage 2000D, que tinha descolado da base aérea de Nancy-Ochey, desapareceu esta manhã dos radares quando sobrevoava a baixa altitude sobre a cordilheira de Jura, no norte dos Alpes, junto à fronteira com a Suíça, segundo informações da prefeitura de Doubs. Os destroços já foram localizados. Agora prossegue a busca pelos dois tripulantes.

Foi o jornal L'Est Républicain a relatar a descoberta dos destroços e um paraquedas já teriam sido encontrados e que iam dois tripulantes a bordo. "Esperamos encontrá-los com vida. Neste momento, estão dados como desaparecidos", declarou o porta-voz da Força Aérea francesa, o coronel Cyrille Duvivier, numa conferência de imprensa em Paris.

Os dois membros da tripulação -- piloto e navegador -- não deram qualquer sinal de vida desde o desaparecimento do aparelho que tinha descolado da base aérea de Nancy-Ochey, no leste de França, e efetuava um voo de treino a baixa altitude.

"Não tivemos qualquer contacto de qualquer tipo", qualquer sinal de ejeção, sublinhou o coronel Duvivier, explicando que não foi acionado qualquer dos mecanismos colocados no assento ejetável e que se destacam automaticamente aquando da ejeção ou que os pilotos acionam ao chegar ao solo para serem localizados.

Os destroços do avião foram localizados na zona da aldeia de Mignovillard, em torno da qual as buscas se centraram, indicou uma fonte próxima das equipas de socorro.

Segundo o L'Est Républicain, um paraquedas e um mapa estão entre o material encontrado no cimo da aldeia, localizada a 1.050 metros de altitude. "Encontrámos tecido que parece ser de um paraquedas, mas é demasiado cedo para dizer se se trata de um paraquedas da tripulação ou do aparelho", observou o coronel Duvivier.

Além dos paraquedas dos pilotos, o Mirage 2000D está equipado com um paraquedas de travagem na aterragem que se encontra na cauda do aparelho.

Um forte dispositivo de busca -- incluindo aviões caças que se encontravam na zona e helicópteros -- foi mobilizado para tentar localizar o aparelho desaparecido dos radares ao fim da manhã.

"A dificuldade é encontrar o ponto de impacto (...) A área de destroços pode ser imensa", indicou o coronel Duvivier, recordando o precedente de março de 2011, o último acidente mortal sofrido pela Força Aérea francesa, em que o piloto e o navegador de um Mirage 2000 da base de Luxeuil-les-Bains (Haute-Saône) morreram quando o aparelho se despenhou no departamento da Creuse.

"A zona de dispersão era muito, muito vasta, e estas operações são longas", sublinhou o oficial.

Na sua conta da rede social Facebook, a guarda do departamento do Jura precisou que o avião desapareceu "quando sobrevoava o maciço jurássico entre Mouthe (Doubs)/Mignovillard (Jura) e a fronteira suíça" e instou "qualquer pessoa com informações sobre o possível local da queda ou sobre os pilotos" a contactá-la.

"Ouvi o avião por volta das 10.15. É uma zona muito frequentada e eles costumam voar muito baixo. Mas de repente ouvi um grande estrondo e depois silêncio", afirmou ao mesmo jornal um residente da comuna de Mignovillard, onde o avião terá caído.

As autoridades lançaram uma operação para tentar encontrar o piloto e o copiloto, um homem e uma mulher, que seguiam a bordo do avião e podem ter-se ejetado, pedindo informações que possam ajudar.

As buscas estão a ser dificultadas pelo nevoeiro e a neve que cobre a zona.

A Força Aérea francesa emitiu um comunicado no Twitter a confirmar que "o contacto entre rádio foi perdido". "Os meios de busca e de salvamento foram ativados imediatamente para encontrar a aeronave e a sua tripulação", pode ler-se.

Apesar da presença de mais de uma centena de agentes no local, as autoridades ainda não emitiram qualquer comunicado sobre o paradeiro dos dois tripulantes do avião militar francês, estando-se a preparar para passar o noite a trabalhar a bloquear o acesso ao local do acidente e prosseguir as buscas. Uma unidade de intervenção química móvel também está no local.

Entretanto, o coronel Duvivier, do Serviço de Informação e Relações Públicas da Força Aérea (SIRPA) confirmou que foi encontrado um tecido parecido com paraquedas e alguns detritos.

Segundo o L'Est Republician, não foi acionado nenhum sinal de perigo antes da queda.

(Em atualização)

Ler mais

Exclusivos