Avião aterra de emergência depois de os três pilotos se terem sentido mal

O avião teve de ser desviado para Vancouver depois de tripulantes terem ficado doentes

Um avião da British Airways que seguia de São Francisco para Londres teve de aterrar em Vancouver, no Canadá, esta terça-feira, depois de ter sido declarada uma emergência médica a bordo. A companhia aérea explicou, em comunicado, que 25 pessoas, incluindo três pilotos, ficaram doentes e tiveram de ser levados para o hospital por precaução.

Em declarações ao jornal The Mirror, o porta-voz da companhia aérea recusou-se a fazer mais comentários, adiantando apenas que ninguém foi tratado por inalação de fumo, como algumas notícias avançavam, e que a companhia está a investigar o caso.

Segundo a BBC, as 25 pessoas que se sentiram mal eram da tripulação, incluindo os três pilotos (um número comum quando se trata de voos de longa distância).

Uma foto tirada no aeroporto de Vancouver e publicada nas redes sociais mostra o avião a ser acompanhado por veículos de emergência depois da aterragem.

A British Airways entregou uma carta aos passageiros onde lamenta a interrupção do voo e explica o sucedido. A companhia disse ainda que está a arranjar alojamento em hotéis e voos alternativos para os seus passageiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.