México. Avião com 101 pessoas a bordo falha descolagem, mas não há vítimas mortais

É difícil acreditar, olhando para as imagens, mas o governador de Durango informou que não há vítimas mortais. Há, no entanto, pessoas em estado crítico. Um dos passageiros revelou que o avião não chegou a levantar voo

Um avião da Embraer operado pela Aeromexico sofreu um acidente esta terça-feira no estado de Durango, no norte do México, com 97 passageiros e quatro tripulantes a bordo, noticiou a AFP. Apesar da destruição visível nas imagens, o governador do estado garantiu no Twitter que não há mortos a registar. Mas não indicou o número de feridos. A Secretaria Estatal de Saúde informou entretanto que 18 pessoas foram transportadas para o hospital e que 12 estão em estado crítico.

Mas, apesar de o governador José Aispuro ter afastado a existência de vítimas mortais, o secretário (ministro) das Comunicações e dos Transportes do México, Gerardo Ruiz Esparza, disse à imprensa que só podia confirmar o resgate de 52 pessoas com vida.

De acordo com um dos sobreviventes, citado pelo jornal mexicano El Universal , os passageiros saíram do avião pelo próprio pé e deslocaram-se para perto do aeroporto para pedir assistência médica. A mesma testemunha confirma que o avião não chegou a levantar voo, provavelmente devido a ventos fortes. "Deve ter avançado uns dois ou três quilómetros, mas em terra. Eu e as pessoas que estávamos na primeira classe conseguimos sair rápido. Depois começaram a sair mais pessoas. Demorou três a quatro minutos até haver uma explosão", referiu.

O avião sofreu um acidente pouco depois de ter tentado a descolagem do aeroporto Guadalupe Victoria, quando seguia para a capital do país, às 16.00 horas locais (22.00 de Lisboa). A aeronave, segundo relatos de uma testemunha, não chegou a levantar voo. "Ouviu-se um estrondo e o avião estava no chão", disse o governador José Rosas Aispuro.

Veja aqui o relato de um dos sobreviventes da queda do avião.

Os números de passageiros e membros da tripulação foram adiantados pelo ministro mexicano dos Transportes, Gerardo Ruiz Esparza, na sua conta na rede social Twitter, citada pela agência AFP.

Um correspondente da AFP no local viu o avião envolto numa nuvem de fumo e os passageiros a sair a pé do aparelho, alguns com ferimentos ligeiros visíveis.

A companhia aérea mexicana, que já abriu um inquérito para apurar as causas do acidente, escreveu no Twitter que tinha conhecimento dos relatos de um acidente em Durango e que estava a tentar verificar as informações e obter detalhes. Cerca de duas horas depois fez um comunicado em que deve conta que não tinha informação de que tivesse havido mortos.

Enrique Peña Nieto, presidente do México, também reagiu ao acidente, informando que deu ordens para que a Secretaria de Defesa Nacional e a Secretaria de Comunicações colaborassem no apoio e assistência aos feridos.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.