México. Avião com 101 pessoas a bordo falha descolagem, mas não há vítimas mortais

É difícil acreditar, olhando para as imagens, mas o governador de Durango informou que não há vítimas mortais. Há, no entanto, pessoas em estado crítico. Um dos passageiros revelou que o avião não chegou a levantar voo

Um avião da Embraer operado pela Aeromexico sofreu um acidente esta terça-feira no estado de Durango, no norte do México, com 97 passageiros e quatro tripulantes a bordo, noticiou a AFP. Apesar da destruição visível nas imagens, o governador do estado garantiu no Twitter que não há mortos a registar. Mas não indicou o número de feridos. A Secretaria Estatal de Saúde informou entretanto que 18 pessoas foram transportadas para o hospital e que 12 estão em estado crítico.

Mas, apesar de o governador José Aispuro ter afastado a existência de vítimas mortais, o secretário (ministro) das Comunicações e dos Transportes do México, Gerardo Ruiz Esparza, disse à imprensa que só podia confirmar o resgate de 52 pessoas com vida.

De acordo com um dos sobreviventes, citado pelo jornal mexicano El Universal , os passageiros saíram do avião pelo próprio pé e deslocaram-se para perto do aeroporto para pedir assistência médica. A mesma testemunha confirma que o avião não chegou a levantar voo, provavelmente devido a ventos fortes. "Deve ter avançado uns dois ou três quilómetros, mas em terra. Eu e as pessoas que estávamos na primeira classe conseguimos sair rápido. Depois começaram a sair mais pessoas. Demorou três a quatro minutos até haver uma explosão", referiu.

O avião sofreu um acidente pouco depois de ter tentado a descolagem do aeroporto Guadalupe Victoria, quando seguia para a capital do país, às 16.00 horas locais (22.00 de Lisboa). A aeronave, segundo relatos de uma testemunha, não chegou a levantar voo. "Ouviu-se um estrondo e o avião estava no chão", disse o governador José Rosas Aispuro.

Veja aqui o relato de um dos sobreviventes da queda do avião.

Os números de passageiros e membros da tripulação foram adiantados pelo ministro mexicano dos Transportes, Gerardo Ruiz Esparza, na sua conta na rede social Twitter, citada pela agência AFP.

Um correspondente da AFP no local viu o avião envolto numa nuvem de fumo e os passageiros a sair a pé do aparelho, alguns com ferimentos ligeiros visíveis.

A companhia aérea mexicana, que já abriu um inquérito para apurar as causas do acidente, escreveu no Twitter que tinha conhecimento dos relatos de um acidente em Durango e que estava a tentar verificar as informações e obter detalhes. Cerca de duas horas depois fez um comunicado em que deve conta que não tinha informação de que tivesse havido mortos.

Enrique Peña Nieto, presidente do México, também reagiu ao acidente, informando que deu ordens para que a Secretaria de Defesa Nacional e a Secretaria de Comunicações colaborassem no apoio e assistência aos feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.