Autoridades ocupam padaria de portugueses em Caracas

Proprietários foram acusados de não cumprirem norma que obriga as padarias a terem pão disponível para os clientes, desde a abertura até ao encerramento

Uma padaria do centro de Caracas, propriedade de portugueses, foi ocupada pelas autoridades que mudaram o nome do estabelecimento e o entregaram a grupos de cidadãos para ser administrada durante pelo menos 90 dias, disseram fontes empresariais à Lusa.

Segundo estas fontes, a padaria Mansión's Bakery , que foi alvo de uma fiscalização das autoridades venezuelanas na quinta-feira, reabriu na sexta-feira com o nome "Minka".

Um papel colado na porta dá conta que a padaria é controlada por membros dos Comités Locais de Abastecimento e Produção, produzindo pão que é tirado por uma porta secundária e introduzido numa viatura.

Propriedade de portugueses, a Mansión's Bakery foi encerrada na quinta-feira pela Superintendência de Preços Justos que acusou os proprietários de não cumprirem a nova normativa que obriga as padarias a ter, permanentemente, desde a abertura até ao encerramento, pão disponível para os clientes.

As autoridades acusaram ainda os proprietários de vender o pão a preços mais altos que os permitidos e de manter o estabelecimento em condições de insalubridade.

Proprietários e trabalhadores foram impedidos de guardar o dinheiro que se encontrava na caixa registadora.

No passado domingo o Presidente Nicolás Maduro instou as autoridades a atuarem com severidade contra setores que pretendem obstruir o acesso da população a bens de consumo diário, como o pão.

"Aos especuladores que escondem o pão do povo venezuelano, deve cair-lhes todo o peso da lei. É um plano da direita fascista para fazer com que as pessoas se irritem. Vamos com toda a força", disse.

O vice-presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou uma nova norma legal que as 709 padarias de Caracas devem respeitar e que estabelece que o pão deve estar à venda desde a abertura até ao encerramento dos estabelecimentos.

"Ao finalizar cada dia deverá ficar pão preparado para o dia seguinte. A venda não poderá ser condicionada e muito menos criados mecanismos ilícitos como a cobrança de comissões pelo uso de terminais de pagamento", disse à televisão estatal.

Segundo Tareck El Aissami, a padaria que desrespeite o novo regulamento "será ocupada temporariamente pelo Governo e transferida para os Comités Locais de Abastecimento e Proteção, para fazê-la produzir".

Um dia depois as autoridades venezuelanas iniciaram a fiscalização das padarias caraquenhas, com os padeiros a queixarem-se de falta de matéria-prima para produzir o pão.

Na Venezuela vigora, desde 2003, um férreo sistema de controlo cambial que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira e obriga as empresas a pedirem ao executivo autorizações para aceder a dólares e importar, um processo que o empresários dizem ser cada vez mais demorado e limitado.

Além dos supermercados, a panificação é uma das áreas com forte presença de portugueses na Venezuela.

A 11 de março último a Federação de Trabalhadores da Farinha (Fetraharina), denunciou a paralisação de dois moinhos de trigo, por falta de matéria-prima, em Caracas.

Estes dois moinhos, segundo o presidente da Fetraharina, Juan Crespo, necessitam mensalmente de 30 mil toneladas de trigo para funcionarem.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.