Autoridades mexicanas descobrem dez cadáveres, sete enterrados num pátio

Em menos de um mês, foram encontrados 43 corpos em condições semelhantes nos arredores de Guadalajara

As autoridades mexicanas encontraram dez cadáveres, incluindo sete enterrados no pátio de uma casa, num bairro no sul de Guadalajara, no México, ligando a descoberta a um massacre após confrontos entre traficantes de droga.

A descoberta aconteceu na terça-feira no bairro Villa Fontana Aqua, depois de um habitante ter avistado sangue na entrada de uma casa e alertado as autoridades.

Os três primeiros corpos, que tinham sido baleados, foram encontrados dentro da casa, segundo fontes do governo do estado de Jalisco, do qual Guadalajara é a capital.

Poucas horas depois, com a ajuda de cães polícias, quatro corpos, três homens e uma mulher, enterrados no pátio da casa, foram localizados, de acordo com as mesmas fontes.

Este caso eleva para 43 o número de corpos encontrados em condições semelhantes, em menos de um mês, nos arredores de Guadalajara, segundo a imprensa local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.