Autoridades londrinas já abriram 101 investigações de assassinato este ano

Em 2017, o número de assassinatos em Londres foi de 131. Crimes têm aumentado e esfaqueamentos têm sido habituais. Em fevereiro e março, capital britânica teve taxa mais alta do que Nova Iorque

Um jovem de 22 anos morreu no passado domingo de manhã, em Londres, poucos dias depois de as autoridades londrinas terem anunciado a abertura da 100.ª investigação de homicídio este ano. Já esta segunda-feira, de acordo com os media britânicos, duas mulheres, na casa dos 50 e 60 anos, foram esfaqueadas mas não correm perigo de vida.

O Independent refere que, este ano, já foram mortos 20 jovens em Londres, uma faixa etária conta a qual os crimes na Inglaterra e no País de Gales aumentaram 69% nos últimos quatro anos.

Dados oficiais mostram também, excluindo ataques terroristas e tragédias como a de Hillsborough em 1989, que o número de assassinatos tem vindo a crescer desde 2014. Em março de 2018, o total de 701 mortes assinalava um aumento de 12% relativamente ao ano anterior.

Em 2017, o número total de assassinatos em Londres foi de 131, número que poderá ser ultrapassado este ano, sendo que em há sensivelmente dez anos, em 2007, o número foi de 164.

Das 100 investigações deste ano, nem todas se concretizam, no final, em assassinato, após as investigações policiais.

Esta segunda-feira, também em Londres, dois jovens, de 18 e 19 anos, foram esfaqueados no noroeste da capital britânica, no seguimento da espiral de violência, crimes com armas brancas e guerras entre gangues.

Estes crimes acontecem numa altura em que os crimes na zona de Londres continuam a acontecer com frequência. Em fevereiro e março, inclusivamente, a taxa de homicídios londrina ultrapassou a da cidade de Nova Iorque, EUA.

Os esfaqueamentos tornaram-se já habituais e, de acordo com dados da Metropolitan Police citados pelo The Sun, aconteceram, até abril deste ano, 1299 esfaqueamentos em Londres.

Situação tem levado a que surgissem, e continuam a surgir, várias críticas e ataques a Sadiq Khan, mayor londino. Por seu lado, Khan culpa o governo britânico por cortes nos orçamentos para as autoridades policiais.

Também esta madruga, em Solihull, Birmingham, a cerca de 180 quilómetros de Londres, mãe e filha, de 49 e 22 anos, respetivamente, foram esfaqueadas até à morte na rua.

A polícia lançou uma caça ao homem, diz o Independent, que considera ser suspeito e que conhecia as duas vítimas.

Ler mais

Exclusivos