Ordenada prisão a turista que denunciou assédio sexual

Num vídeo de dez minutos, a mulher contou que dois arrumadores de carros a assediaram sexualmente na rua e também se queixou do comportamento dos condutores da Uber

A Procuradoria-Geral do Egito ordenou hoje a prisão preventiva de uma mulher libanesa por ter insultado o país num vídeo publicado na rede social Facebook.

Mona Mazbuh, que estava de férias no Cairo, foi presa na quinta-feira antes de sair do país, depois do vídeo ter sido difundido nas redes sociais.

O procurador-geral, Nabil Sadeq, determinou que Mazbuh permaneça quatro dias em prisão preventiva para que seja investigada por estes insultos, que são puníveis por lei, informou a agência oficial, MENA.

No vídeo de dez minutos, Mazbuh contou que dois arrumadores de carros a assediaram sexualmente na rua, queixou-se do comportamento dos condutores da Uber, proferiu insultos contra os egípcios em geral e assegurou que o país está cada vez pior.

Entre os impropérios, disse que se sente "feliz com o que está a fazer" o presidente Abdelfatah al Sisi, com o povo, desejando que venha outro mandatário "mais injusto" para converter os egípcios em "mendigos".

Antes de ser presa, segundo o jornal oficial, Al Ahram, Mazbuh publicou outro vídeo pedindo desculpas e dizendo que se tinha queixado apenas junto do seus contactos pessoas.

As autoridades egípcios redobraram as detenções das vozes dissidentes no país e, nas últimas semanas, prenderam ativistas e bloggers por críticas nas redes sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.