Autoridades indicam que 16 povoações correm risco de incêndio

Dezasseis pontos da região espanhola da Galiza enfrentam esta segunda-feira risco real para povoações" devido aos fogos.

Com os fogos na Galiza a fazer três mortos nas últimas 24 horas, as autoridades precisaram que os principais focos em risco situam-se em Friol, Monforte de Lemos e Pantón, em Lugo.

O Departamento do Meio Rural da Xunta, governo autónomo galego, informou que na província de Lugo foi ativado o nível dois (que representa risco real para núcleos habitados) nas paróquias de Anxeriz, em Friol; paróquia de Chavaga, em Monforte de Lemos e paróquia de Cangas, em Pantón.

Em Negreira, na Corunha, o nível dois foi desativado durante a madrugada.

Na província da Corunha, o mesmo nível foi desativado também nas zonas de Boiro e de Cures.

Lugo mantém-se em alerta devido aos fogos de Noceda e Donís, em Cervantes, reserva de Ancares, onde os moradores receiam perder as casas, queixando-se da falta de meios e de se "encontrarem cercados" pelas chamas.

O mesmo nível de alerta (dois) regista-se igualmente em San Cristovo de Cea (Oseira), arredores de Pieles; outro em Baños de Molgas (Bétan), perto de Nevoeiro.

A mesma situação verifica-se em Chandrexa de Queixa (Chaveán); em Paderne de Allariz, paróquia de Cantoña e em Lobios, na zona de Araúxo.

Em Pontevedra há seis incêndios "de nível dois": o mais grave em Ponteareas, que começou em Padróns tendo atingido os municípios de Redondela, Soutomaior e Pazos de Borbén, uma zona que totaliza 1.500 hectares de floresta.

Nos fogos de Salvaterra de Miño, em Pesqueiras; Gondomar, em Mogadáns; Neves junto a Paredes e Baiona, e em Baíña também há zonas que se encontram em situação de risco real para as povoações.

No incêndio de Nigrán, em Parada, onde se corre o mesmo risco, registaram-se duas vítimas mortais: duas pessoas que se encontravam no interior de uma furgoneta atingida pelas chamas.

No fogo de Carballeda de Avia, em Ourense, morreu uma outra pessoa, durante a noite.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.