Autoridades começam a desmantelar campo de refugiados em antigo aeroporto

Cerca de meio milhar de pessoas estava em Ellinikon

A polícia grega começou esta sexta-feira a esvaziar o campo de refugiados instalado no antigo aeroporto de Ellinikon, em Atenas, um dos primeiros centros improvisados na capital grega para responder à crise migratória, criticado pelas suas condições precárias.

Vários agentes da polícia bloquearam o acesso ao recinto e formaram um cordão em torno das três instalações que estão no aeroporto.

A retirada dos mais de meio milhar de migrantes e refugiados que se encontram no local começou pelas 06:30 (04:30 em Lisboa).

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) disponibilizou nove autocarros para o transporte.

Segundo informações da polícia citadas pelos 'media' locais, cerca de 500 refugiados vão ser transferidos para o campo de Tebas, situado a cerca de 50 quilómetros de Atenas, enquanto os restantes 150 serão distribuídos por diferentes centros perto da capital.

De acordo com a mesma fonte, encontram-se em Ellinikon negociadores da polícia, intérpretes e representantes da OIM para mediar os casos de pessoas que não queiram abandonar o local, que representam cerca de 10% dos residentes.

Várias organizações não-governamentais têm criticado as condições precárias do campo.

No entanto, algumas pessoas preferem não abandonar o local, relativamente perto da capital, por receio que os outros campos, como o de Tebas, fiquem demasiado isolados.

Ellinikon tem de ser evacuado, já que o antigo aeroporto, que em 2004 acolheu algumas instalações dos Jogos Olímpicos de Atenas, foi vendido a um consórcio internacional de empresas.

Para o terreno com 620 hectares está planeada a construção de um complexo de vivendas, hotéis e zonas comerciais.

Está também prevista a criação de uma enorme zona verde com mais de 2,6 milhões de metros quadrados.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.