Autoridades começam a desmantelar campo de refugiados em antigo aeroporto

Cerca de meio milhar de pessoas estava em Ellinikon

A polícia grega começou esta sexta-feira a esvaziar o campo de refugiados instalado no antigo aeroporto de Ellinikon, em Atenas, um dos primeiros centros improvisados na capital grega para responder à crise migratória, criticado pelas suas condições precárias.

Vários agentes da polícia bloquearam o acesso ao recinto e formaram um cordão em torno das três instalações que estão no aeroporto.

A retirada dos mais de meio milhar de migrantes e refugiados que se encontram no local começou pelas 06:30 (04:30 em Lisboa).

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) disponibilizou nove autocarros para o transporte.

Segundo informações da polícia citadas pelos 'media' locais, cerca de 500 refugiados vão ser transferidos para o campo de Tebas, situado a cerca de 50 quilómetros de Atenas, enquanto os restantes 150 serão distribuídos por diferentes centros perto da capital.

De acordo com a mesma fonte, encontram-se em Ellinikon negociadores da polícia, intérpretes e representantes da OIM para mediar os casos de pessoas que não queiram abandonar o local, que representam cerca de 10% dos residentes.

Várias organizações não-governamentais têm criticado as condições precárias do campo.

No entanto, algumas pessoas preferem não abandonar o local, relativamente perto da capital, por receio que os outros campos, como o de Tebas, fiquem demasiado isolados.

Ellinikon tem de ser evacuado, já que o antigo aeroporto, que em 2004 acolheu algumas instalações dos Jogos Olímpicos de Atenas, foi vendido a um consórcio internacional de empresas.

Para o terreno com 620 hectares está planeada a construção de um complexo de vivendas, hotéis e zonas comerciais.

Está também prevista a criação de uma enorme zona verde com mais de 2,6 milhões de metros quadrados.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.