Autores do massacre a escola brasileira tinham pacto de morte

A polícia brasileira concluiu que o mais novo, Guilherme Monteiro, disparou sobre Luiz Castro e depois suicidou-se. Provas recolhidas apontam para um ataque planeado e imagens da câmara de videovigilância mostram como tudo aconteceu.

A investigação da polícia brasileira ao ataque levado a cabo por dois antigos alunos de uma escola da cidade de Suzano, a 34 quilómetros de São Paulo, que provocou a morte a oito pessoas, das quais cinco menores, e ainda dez feridos, chegou à conclusão que os suspeitos tinham um pacto de que se matariam depois do massacre que planearam.

As informações dos investigadores apontam para o facto de o mais novo, Guilherme Monteiro, de 17 anos, ter disparado sobre o mais velho, Luiz Castro, de 25 anos, suicidando-se em seguida.

A polícia fez entretanto buscas a casa dos dois assassinos, tendo recolhido provas que apontam para o facto de nos últimos dias terem andado a fazer pesquisas na internet sobre massacres ocorridos em escolas dos Estados Unidos. Além disso, no carro usado para o ataque foi encontrado um caderno, que continha desenhos de armas e táticas de jogos de combate que deveriam cumprir na escola de Suzano. "Depois disso pode mandar o seu exército atacar, é um exército meio fraco, mas se fizer rápido o inimigo não vai ter tempo de fazer muitas defesas", pode ler-se.

As várias cadeias de televisão brasileiras estão a divulgar um vídeo obtido através da câmara de videovigilância da entrada da escola, onde se pode ver a forma como foi feito o ataque. (Chamamos a atenção para o conteúdo sensível das imagens.)

O Ministério Público de São Paulo quer ainda que a investigação levada a cabo pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) procure apurar a existência de uma organização criminosa por detrás da atuação dos dois antigos alunos da escola de Suzano, pois em causa poderá estar a existência de crimes de "terrorismo doméstico", expressão utilizada para classificar atentados terroristas por pessoas nascidas no Brasil contra o seu próprio povo ou governo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.