Autor do ataque de Paris já estava sinalizado

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos

O homem que perpetrou o ataque de Paris no sábado à noite estava sinalizado por radicalização, noticiou hoje a Agência France-Presse.

Um jovem de 29 anos é a vítima mortal do ataque praticado por um homem armado com uma faca, que feriu mais quatro pessoas na zona da Ópera de Paris, no centro da capital francesa, divulgou hoje o ministro do Interior, Gérard Collomb.

O governante declarou à imprensa que os feridos estão fora de perigo, mas especificou que dois, um homem de 34 anos e uma mulher de 54, têm ferimentos graves, e os outros dois, de 26 e 31 anos, têm lesões ligeiras.

Collomb, que avançou novos dados do atentado durante uma visita esta madrugada ao hospital Georges-Pompidou de Paris, prestou homenagem ao jovem falecido, que foi atingido pelo agressor enquanto caminhava na rua.

"A juventude de França foi de novo golpeada esta noite", lamentou o ministro, que convocou para hoje uma reunião do Estado-Maior, que inclui elementos da polícia e dos serviços secretos.

Segundo os media franceses, o alegado autor do ataque é um jovem russo de origem chechena, nascido em 1997, que identificado graças às impressões digitais e cujos pais estão sob custódia policial.

Pouco antes das 21:00 locais (20:00 em Lisboa), um homem esfaqueou peões indiscriminadamente e gritou "Allah Akbar" (Alá é grande) na rua Monsigny, entre as movimentadas zonas da Ópera de Paris.

O agressor foi abatido pela polícia, minutos depois, na mesma zona.

Segundo os media franceses, o alegado autor do ataque é um jovem russo de origem chechena, nascido em 1997, que identificado graças às impressões digitais e cujos pais estão sob custódia policial.

O Estado Islâmico (EI) assumiu a ação num breve comunicado difundido pela agência Amaq, próxima do grupo terrorista, cuja autenticidade não pôde ser confirmada, e no qual assegura que o atentado foi praticado por "um soldado do Estado Islâmico".

Fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP, afirmaram que o francês nascido na Chechénia estava classificado com uma ficha "S" (para segurança do Estado).

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos que incluem mais de 10.000 pessoas, entre as quais radicais islâmicos e com ligações a movimentos terroristas, bem como 'hooligans' e membros de grupos da esquerda radical ou da extrema-direita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.