Autor do ataque de Paris já estava sinalizado

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos

O homem que perpetrou o ataque de Paris no sábado à noite estava sinalizado por radicalização, noticiou hoje a Agência France-Presse.

Um jovem de 29 anos é a vítima mortal do ataque praticado por um homem armado com uma faca, que feriu mais quatro pessoas na zona da Ópera de Paris, no centro da capital francesa, divulgou hoje o ministro do Interior, Gérard Collomb.

O governante declarou à imprensa que os feridos estão fora de perigo, mas especificou que dois, um homem de 34 anos e uma mulher de 54, têm ferimentos graves, e os outros dois, de 26 e 31 anos, têm lesões ligeiras.

Collomb, que avançou novos dados do atentado durante uma visita esta madrugada ao hospital Georges-Pompidou de Paris, prestou homenagem ao jovem falecido, que foi atingido pelo agressor enquanto caminhava na rua.

"A juventude de França foi de novo golpeada esta noite", lamentou o ministro, que convocou para hoje uma reunião do Estado-Maior, que inclui elementos da polícia e dos serviços secretos.

Segundo os media franceses, o alegado autor do ataque é um jovem russo de origem chechena, nascido em 1997, que identificado graças às impressões digitais e cujos pais estão sob custódia policial.

Pouco antes das 21:00 locais (20:00 em Lisboa), um homem esfaqueou peões indiscriminadamente e gritou "Allah Akbar" (Alá é grande) na rua Monsigny, entre as movimentadas zonas da Ópera de Paris.

O agressor foi abatido pela polícia, minutos depois, na mesma zona.

Segundo os media franceses, o alegado autor do ataque é um jovem russo de origem chechena, nascido em 1997, que identificado graças às impressões digitais e cujos pais estão sob custódia policial.

O Estado Islâmico (EI) assumiu a ação num breve comunicado difundido pela agência Amaq, próxima do grupo terrorista, cuja autenticidade não pôde ser confirmada, e no qual assegura que o atentado foi praticado por "um soldado do Estado Islâmico".

Fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP, afirmaram que o francês nascido na Chechénia estava classificado com uma ficha "S" (para segurança do Estado).

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos que incluem mais de 10.000 pessoas, entre as quais radicais islâmicos e com ligações a movimentos terroristas, bem como 'hooligans' e membros de grupos da esquerda radical ou da extrema-direita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.