Autor do ataque de Paris já estava sinalizado

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos

O homem que perpetrou o ataque de Paris no sábado à noite estava sinalizado por radicalização, noticiou hoje a Agência France-Presse.

Um jovem de 29 anos é a vítima mortal do ataque praticado por um homem armado com uma faca, que feriu mais quatro pessoas na zona da Ópera de Paris, no centro da capital francesa, divulgou hoje o ministro do Interior, Gérard Collomb.

O governante declarou à imprensa que os feridos estão fora de perigo, mas especificou que dois, um homem de 34 anos e uma mulher de 54, têm ferimentos graves, e os outros dois, de 26 e 31 anos, têm lesões ligeiras.

Collomb, que avançou novos dados do atentado durante uma visita esta madrugada ao hospital Georges-Pompidou de Paris, prestou homenagem ao jovem falecido, que foi atingido pelo agressor enquanto caminhava na rua.

"A juventude de França foi de novo golpeada esta noite", lamentou o ministro, que convocou para hoje uma reunião do Estado-Maior, que inclui elementos da polícia e dos serviços secretos.

Segundo os media franceses, o alegado autor do ataque é um jovem russo de origem chechena, nascido em 1997, que identificado graças às impressões digitais e cujos pais estão sob custódia policial.

Pouco antes das 21:00 locais (20:00 em Lisboa), um homem esfaqueou peões indiscriminadamente e gritou "Allah Akbar" (Alá é grande) na rua Monsigny, entre as movimentadas zonas da Ópera de Paris.

O agressor foi abatido pela polícia, minutos depois, na mesma zona.

Segundo os media franceses, o alegado autor do ataque é um jovem russo de origem chechena, nascido em 1997, que identificado graças às impressões digitais e cujos pais estão sob custódia policial.

O Estado Islâmico (EI) assumiu a ação num breve comunicado difundido pela agência Amaq, próxima do grupo terrorista, cuja autenticidade não pôde ser confirmada, e no qual assegura que o atentado foi praticado por "um soldado do Estado Islâmico".

Fontes próximas do inquérito, citadas pela AFP, afirmaram que o francês nascido na Chechénia estava classificado com uma ficha "S" (para segurança do Estado).

Não tinha antecedentes criminais, mas figurava nos ficheiros dos serviços secretos que incluem mais de 10.000 pessoas, entre as quais radicais islâmicos e com ligações a movimentos terroristas, bem como 'hooligans' e membros de grupos da esquerda radical ou da extrema-direita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.