Autarca de Paris lamenta "cenas de caos" e aponta "danos incomensuráveis"

A presidente de câmara socialista de Paris, Anne Hidalgo, lamentou "as cenas de caos" e os "danos incomensuráveis" para a economia e a imagem da cidade, depois dos protestos do movimento "coletes amarelos".

"Ao lado dos parisienses que viveram ao longo do dia estas cenas de caos", escreveu a autarca num 'tweet', na rede social Twitter.

"Dezenas de comerciantes foram vítimas de desordeiros em muitos bairros... Mais uma vez... É deplorável", afirmou.

Num outro 'tweet' acrescentou: "Centenas de lojas e instalações públicas foram impedidas de abrir, a degradação em muitos distritos, uma vida cultural e económica paralisada, uma imagem internacional para restaurar: os danos são incomensuráveis. É inimaginável que revivamos isto".

Anne Hidalgo agradeceu às forças de ordem, "que asseguraram a segurança dos parisienses e dos manifestantes" em condições difíceis.

Os confrontos com a polícia ocorreram em várias partes da capital, nomeadamente nos Campos Elísios e na praça da República.

No início da noite, o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, pediu a manutenção da "vigilância" em Paris e em algumas cidades do interior.

Os protestos dos "coletes amarelos" reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções, de acordo com o ministro do Interior.

Ainda segundo o ministro do Interior, 135 pessoas ficaram feridas nos protestos, incluindo 17 polícias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.