Áustria abandona pacto das Nações Unidas para as migrações

Depois da Hungria, Viena deixa o Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados, que foi aprovado em julho por todos os países da ONU à exceção dos EUA, será homologado em dezembro.

A Áustria vai seguir o exemplo dos Estados Unidos e da Hungria e vai abandonar o acordo das Nações Unidas para as migrações, anunciou nesta quarta-feira o chanceler conservador Sebastian Kurz, que governa o país numa coligação com o partido de extrema-direita FPÖ, avança a Reuters.

O Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados, que foi aprovado em julho por todos os países da ONU à exceção dos EUA, será homologado na conferência das Nações Unidas que decorrerá a 10 e 11 de dezembro em Marraquexe. Pouco depois da sua aprovação, a Hungria também anunciou a sua saída do pacto que o primeiro-ministro Viktor Orbán considerou perigoso e responsável por incentivar milhões de pessoas a fazerem-se à estrada.

O jornal francês Figaro dá ainda conta da campanha que o partido de extrema-direita FPÖ tem feito recentemente para que Viena boicotasse aquele que é considerado o primeiro documento internacional acerca da gestão das migrações.

Também a Polónia pondera abandonar o acordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.