Áustria abandona pacto das Nações Unidas para as migrações

Depois da Hungria, Viena deixa o Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados, que foi aprovado em julho por todos os países da ONU à exceção dos EUA, será homologado em dezembro.

A Áustria vai seguir o exemplo dos Estados Unidos e da Hungria e vai abandonar o acordo das Nações Unidas para as migrações, anunciou nesta quarta-feira o chanceler conservador Sebastian Kurz, que governa o país numa coligação com o partido de extrema-direita FPÖ, avança a Reuters.

O Pacto Mundial das Nações Unidas para os Migrantes e Refugiados, que foi aprovado em julho por todos os países da ONU à exceção dos EUA, será homologado na conferência das Nações Unidas que decorrerá a 10 e 11 de dezembro em Marraquexe. Pouco depois da sua aprovação, a Hungria também anunciou a sua saída do pacto que o primeiro-ministro Viktor Orbán considerou perigoso e responsável por incentivar milhões de pessoas a fazerem-se à estrada.

O jornal francês Figaro dá ainda conta da campanha que o partido de extrema-direita FPÖ tem feito recentemente para que Viena boicotasse aquele que é considerado o primeiro documento internacional acerca da gestão das migrações.

Também a Polónia pondera abandonar o acordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.