Página falsa do movimento Black Lives Matter era gerida por australiano. E era uma fraude

A BLM não oficial tinha o dobro de seguidores da página de Facebook que está ligada ao movimento internacional. Australiano terá arrecadado 100 mil dólares com página

Era uma das maiores páginas de defesa dos direitos dos negros no Facebook. Chamava-se "Black Lives Matter" (BLM), como o movimento norte-americano contra a violência policial contra os negros, e contava com 700 mil seguidores. Entretanto foi desativada e as autoridades suspeitam que era gerida por um australiano que se apoderou de mais de 100 mil dólares de doações. A BLM não oficial tinha quase o dobro de seguidores da sua congénere oficial.

A investigação partiu da CNN que percebeu que a página não tinha qualquer ligação ao movimento internacional que faz campanha contra a violência direcionada a pessoas negras.

Segundo a cadeia de televisão, a BLM não oficial está ligada a Ian Mackay, um funcionário do sindicato australiano dos trabalhadores - o National Union of Workers (NUW). A página no Facebook era gerida por "BP Parker" e "Steve Parks", perfis anónimos, ambos ligados a domínios na web que pertencem a Mackay.

Os administradores da página que poderá ser uma fraude encorajavam as pessoas a doarem online através da página do Facebook e de outras páginas como Donorbox, PayPal, Patreon e Elegante. Segundo a CNN, uma das contas estava ligada a Mackay através do nome e de uma conta bancária australiana.

Em declarações ao jornal The Guardian, o secretário nacional do NUW, Tim Kennedy, revelou que a organização abriu uma investigação sobre as alegações que resultaram da investigação da CNN. O sindicato disse ainda que suspendeu Iam MacKay - nomeado vice-presidente da NUW, em 2015 - e outro funcionário, ambos ligados ao caso, até que esteja concluída a investigação interna.

Segundo o site Quartz, o caso é mais uma prova da falta de controlo do Facebook, até porque, segundo o site, um dos cofundadores da BLM, Patrisse Cullors, tinha feito chegar à plataforma uma suspeita de fraude e nenhuma ação foi realizada pela empresa.

Depois da CNN confrontar o Facebook com a investigação, a resposta foi que a página não oficial da BLM "não mostrou nada que violasse as nossas Normas da Comunidade".

O Facebook acabaria por remover a página esta segunda-feira, dias depois de desativar o perfil "BP Parker" por violar os padrões da comunidade.

Black Lives Matter (As Vidas Negras Importam) é um movimento ativista internacional com origem na comunidade afro-americana e que promove o debate sobre temas como a discriminação racial e a desigualdade racial no sistema de justiça criminal norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.