Página falsa do movimento Black Lives Matter era gerida por australiano. E era uma fraude

A BLM não oficial tinha o dobro de seguidores da página de Facebook que está ligada ao movimento internacional. Australiano terá arrecadado 100 mil dólares com página

Era uma das maiores páginas de defesa dos direitos dos negros no Facebook. Chamava-se "Black Lives Matter" (BLM), como o movimento norte-americano contra a violência policial contra os negros, e contava com 700 mil seguidores. Entretanto foi desativada e as autoridades suspeitam que era gerida por um australiano que se apoderou de mais de 100 mil dólares de doações. A BLM não oficial tinha quase o dobro de seguidores da sua congénere oficial.

A investigação partiu da CNN que percebeu que a página não tinha qualquer ligação ao movimento internacional que faz campanha contra a violência direcionada a pessoas negras.

Segundo a cadeia de televisão, a BLM não oficial está ligada a Ian Mackay, um funcionário do sindicato australiano dos trabalhadores - o National Union of Workers (NUW). A página no Facebook era gerida por "BP Parker" e "Steve Parks", perfis anónimos, ambos ligados a domínios na web que pertencem a Mackay.

Os administradores da página que poderá ser uma fraude encorajavam as pessoas a doarem online através da página do Facebook e de outras páginas como Donorbox, PayPal, Patreon e Elegante. Segundo a CNN, uma das contas estava ligada a Mackay através do nome e de uma conta bancária australiana.

Em declarações ao jornal The Guardian, o secretário nacional do NUW, Tim Kennedy, revelou que a organização abriu uma investigação sobre as alegações que resultaram da investigação da CNN. O sindicato disse ainda que suspendeu Iam MacKay - nomeado vice-presidente da NUW, em 2015 - e outro funcionário, ambos ligados ao caso, até que esteja concluída a investigação interna.

Segundo o site Quartz, o caso é mais uma prova da falta de controlo do Facebook, até porque, segundo o site, um dos cofundadores da BLM, Patrisse Cullors, tinha feito chegar à plataforma uma suspeita de fraude e nenhuma ação foi realizada pela empresa.

Depois da CNN confrontar o Facebook com a investigação, a resposta foi que a página não oficial da BLM "não mostrou nada que violasse as nossas Normas da Comunidade".

O Facebook acabaria por remover a página esta segunda-feira, dias depois de desativar o perfil "BP Parker" por violar os padrões da comunidade.

Black Lives Matter (As Vidas Negras Importam) é um movimento ativista internacional com origem na comunidade afro-americana e que promove o debate sobre temas como a discriminação racial e a desigualdade racial no sistema de justiça criminal norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.