Australiana lembra-se de tudo desde que nasceu. Até de lhe tirarem uma foto aos 12 dias

Rebecca Sharrock afirma que se lembra de ter começado a sonhar aos 18 meses e sabe citar os livros de Harry Potter

"Quando estava a ler um jornal em 2014, vi um artigo que dizia que era impossível lembrarmo-nos de eventos pessoais que nos tenham acontecido antes dos quatro anos. Pensei: 'que disparate'". As palavras são de Rebecca Sharrock, uma das 80 pessoas no planeta que tem uma Memória Biográfica Altamente Superior (HSAM, em inglês).

Num artigo escrito no blog Omni, Rebecca, de 27 anos, natural de Brisbane, Austrália, explica que se lembra de algo que aconteceu quando tinha apenas 12 dias de vida. O acontecimento em causa é uma fotografia em que os pais a colocaram ao volante do carro.

"Como bebé estava curiosa em relação ao volante e ao assento do carro", escreveu.

Consegue citar os livros de Harry Potter palavra por palavra mas, por outro lado, também se recorda de todos os momentos mais dolorosos, de acordo com o The Independent.

Rebecca fala de como observava, do berço, os seus brinquedos e a ventoinha no quarto. Fala de um "vestido de cetim que lhe fazia comichão" no seu primeiro aniversário e também de um brinquedo da Minnie que a "aterrorizava".

"Quando tinha 18 meses comecei a sonhar sempre que adormecia. Naquela idade eu pensava que estava a deixar a minha casa quando estava a dormir e, por isso, queria a minha mãe comigo sempre que dormia", acrescentou.

Para melhor entender a mente e a memória humana, Rebecca Sharrock faz atualmente parte de dois estudos, com cientistas norte-americanos e australianos, na esperança que a investigação possa ajudar pessoas com problemas de memória e até demência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.