Detidos os 17 passageiros de embarcação encalhada desde domingo

Barco estava encalhado numa área infestada de crocodilos. As 17 pessoas foram identificadas como vietnamitas

As autoridades australianas encontraram e detiveram os 17 passageiros de uma embarcação que encalhou no domingo numa área infestada de crocodilos, no nordeste do país.

"Todas as pessoas desaparecidas foram localizadas", garantiu à televisão local o diretor dos serviços de emergência do estado de Queensland, Peter Rinaudo, acrescentando que as 17 foram identificadas como cidadãs do Vietname.

Na segunda-feira, dia em que arrancaram as operações de resgate, o ministro da Administração Interna, Peter Dutton, declarou que os passageiros "sem documentos" viajavam a bordo de um navio operado por "contrabandistas de pessoas".

A embarcação em causa foi primeira em quatro anos a alcançar de forma ilegal a costa australiana, de acordo com dados oficiais.

O Governo australiano tem sido criticado por várias organizações internacionais, incluindo a ONU, devido à rigidez política contra os imigrantes ilegais no país, que tentam entrar no país por via marítima.

Dutton, que no início do mês afirmou que o país não vai assinar o Pacto Mundial para a Migração, ultimado em julho na ONU, por considerar que afeta a sua soberania, já prometeu deportar todos os cidadãos do Vietname.

A embarcação encalhou no domingo perto da Daintree Rainforest, perto do rio Daintree, no norte de Queensland. Nesse dia, moradores da região afirmaram ter visto várias pessoas a fugir para a floresta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.