Austrália confirma descoberta de peças que podem ser do MH370

Um dos destroços, que poderá ser parte da fuselagem do Boeing 777, foi encontrado há duas semanas na ilha Bernache, nas Maurícias

O governo australiano confirmou hoje a descoberta de três peças, duas nas ilhas Maurícias e outra em Moçambique, que podem pertencer ao avião da Malaysia Airlines desaparecido em março de 2014, com 239 pessoas a bordo.

"Tal como aconteceu com os anteriores, as autoridades malaias preparam a recolha dos destroços e espera-se que sejam trazidos para a Austrália para serem examinados", disse o ministro dos Transportes australiano, Darren Chester, em comunicado, noticiado pela agência Efe.

Não adiantando detalhes sobre a descoberta destes destroços, o ministro referiu que as três peças "têm interesse em conexão com o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines", que desapareceu a 08 de março de 2014.

Um dos destroços, que poderá ser parte da fuselagem do Boeing 777, foi encontrado há duas semanas na ilha Bernache, nas Maurícias, por um turista francês que o entregou ao capitão do navio em que viajava e apenas foi entregue às autoridades na terça-feira.

A outra peça foi encontrada nas Maurícias pela guarda costeira, perto da praia Gris-Gris, e foi descrita como assemelhando-se a um fragmento de uma asa encontrada em Moçambique em dezembro.

Até agora as autoridades já confirmaram como pertencendo ao avião desaparecido cinco destroços encontrados em Moçambique, Maurícias, África do Sul e na ilha francesa da Reunião.

O MH370 despareceu 30 minutos depois de descolar de Kuala Lampur, rumo a Pequim, depois de, segundo a investigação oficial, alguém desligar os sistemas de comunicação e desviar o aparelho, que se terá despenhado no mar enquanto ficou sem combustível.

A Austrália lidera uma operação em que também participam a Malásia e a China e que procura pelos restos do avião numa área de cerca de 120 mil quilómetros quadrados, numa zona remota do Índico.

Exclusivos