Atropelou homem e fugiu. Depois descobriu que era o irmão

Vítima morreu, mas não se sabe se foi antes ou depois do acidente, afirmou um primo do condutor que é polícia

Um homem brasileiro, de 32 anos, atropelou uma pessoa que estava deitada na estrada, em Cruzeiro do Sul, Brasil, fugiu do local, e acabou por descobrir que a vítima, que acabaria por morrer, era o seu irmão mais novo, de 21 anos.

Geovane Nogueira de Holanda estava a conduzir quando atropelou alguém que estava deitado na estrada. Em pânico, fugiu do local e foi para casa do primo, Cleyton Holanda, que é polícia, e contou-lhe o que se tinha passado. Cleyton Holanda acionou os meios policiais e foi ao sítio em que aconteceu o incidente, onde percebeu que a vítima era Lailton Oliveira Aguiar, de 21 anos, irmão do condutor, explica o G1.

"Foi uma tragédia. Eram irmãos do lado do pai. O meu primo tinha ido buscar os filhos a casa da madrasta e ao chegar passou por cima de uma pessoa que estava deitada na estrada. Ele alega que tinha pouca visibilidade. Após o acidente, com medo de represálias, veio à minha casa e contou o ocorrido", disse Cleyton Holanda.

O condutor só ficou a saber que era o irmão pela manhã, visto que tudo se passou de noite. "O meu primo ficou em minha casa. Quando cheguei ao local do acidente vi que se tratava do irmão do meu primo. Ele está em estado de choque. Quando soube que era o irmão entrou em paranoia, está a tomar medicação e não consegue comer nem dormir", acrescentou o polícia.

"Existem informações de que a vítima passou a noite numa festa e, momentos antes, estava com um serrote a ameaçar as pessoas e os carros que passavam. Um outro irmão tentou tirá-lo da festa mas foi agredido e decidiu deixar o local. Existe um mistério, ninguém sabe se a vítima estava viva ou morta quando foi o acidente", disse ainda.

O G1 explica ainda que, devido às condições emocionais e psicológicas de Geovane Nogueira de Holanda, este ainda não foi ouvido pelas autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...