Atropelou homem e fugiu. Depois descobriu que era o irmão

Vítima morreu, mas não se sabe se foi antes ou depois do acidente, afirmou um primo do condutor que é polícia

Um homem brasileiro, de 32 anos, atropelou uma pessoa que estava deitada na estrada, em Cruzeiro do Sul, Brasil, fugiu do local, e acabou por descobrir que a vítima, que acabaria por morrer, era o seu irmão mais novo, de 21 anos.

Geovane Nogueira de Holanda estava a conduzir quando atropelou alguém que estava deitado na estrada. Em pânico, fugiu do local e foi para casa do primo, Cleyton Holanda, que é polícia, e contou-lhe o que se tinha passado. Cleyton Holanda acionou os meios policiais e foi ao sítio em que aconteceu o incidente, onde percebeu que a vítima era Lailton Oliveira Aguiar, de 21 anos, irmão do condutor, explica o G1.

"Foi uma tragédia. Eram irmãos do lado do pai. O meu primo tinha ido buscar os filhos a casa da madrasta e ao chegar passou por cima de uma pessoa que estava deitada na estrada. Ele alega que tinha pouca visibilidade. Após o acidente, com medo de represálias, veio à minha casa e contou o ocorrido", disse Cleyton Holanda.

O condutor só ficou a saber que era o irmão pela manhã, visto que tudo se passou de noite. "O meu primo ficou em minha casa. Quando cheguei ao local do acidente vi que se tratava do irmão do meu primo. Ele está em estado de choque. Quando soube que era o irmão entrou em paranoia, está a tomar medicação e não consegue comer nem dormir", acrescentou o polícia.

"Existem informações de que a vítima passou a noite numa festa e, momentos antes, estava com um serrote a ameaçar as pessoas e os carros que passavam. Um outro irmão tentou tirá-lo da festa mas foi agredido e decidiu deixar o local. Existe um mistério, ninguém sabe se a vítima estava viva ou morta quando foi o acidente", disse ainda.

O G1 explica ainda que, devido às condições emocionais e psicológicas de Geovane Nogueira de Holanda, este ainda não foi ouvido pelas autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.