Atleta espanhola desaparecida foi localizada no hospital

Sandra Caro terá sofrido um ataque de ansiedade

Sandra Caro, uma jovem espanhola de 24 anos que é jogadora do Alhama FC, clube de futebol espanhol da segunda divisão, foi encontrada depois de ter estado desaparecida durante dois dias em Amesterdão, alegadamente após testemunhar o tiroteio que fez um ferido e dois mortos na capital holandesa na passada sexta-feira.

A atleta estava internada num hospital da capital holandesa, onde foi localizada, revelou a treinadora da equipa, acrescentando que Sandra terá sofrido um ataque de ansiedade.

Em comunicado, o Alhama FC referiu que Sandra apareceu e está a recuperar no hospital. "O tiroteio não é real", esclarece a nota divulgada nas redes sociais, indicando que nem a atleta nem a equipa estiveram no local dos disparos em Amesterdão. "Elas não o presenciaram, ainda que tenham ouvido a notícia".

Sandra Caro gravou um vídeo que emitiu em direto no Instagram, e no qual dizia: "Vi que havia um tiroteio. Não sei onde meter-me. Estou a ficar sem bateria no telemóvel. Não consigo ficar calma, aqui ninguém me vai ajudar, não consigo sair daqui. Isto é uma ratoeira, não há maneira".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.