Ativistas servem cocktails de petróleo à porta da cimeira do clima onde está Obama

"Durante a administração de Obama, os EUA tornaram-se o maior produtor de combustíveis fósseis", condenou um porta-voz da Climáximo

Ativistas da Climáximo serviram esta quinta-feira "'cocktails' de petróleo", à margem da cimeira do clima, no Porto, num protesto "simbólico" contra as políticas climáticas do Governo português e do ex-presidente norte-americano Barack Obama, explicou o porta-voz da organização João Costa.

"A nossa ação foi em forma de denúncia dos temas que estão a ser debatidos na cimeira do clima e para a qual Barack Obama foi convidado, não esquecendo que, durante a sua administração, os Estados Unidos tornaram-se o maior produtor de combustíveis fósseis", frisou João Costa.

O protesto, que reuniu sete ativistas da organização, durante a manhã desta quinta-feira, realizou-se à porta do Coliseu do Porto, onde decorre a "Climate Change Leadership Porto Summit 2018", que, além do ex-líder americano, conta com a presença de ministros portugueses, assim como outras figuras da política do país.

João Costa afirmou que o Governo tem vindo "a fechar os olhos" em relação às questões climáticas, acrescentando que "a administração Obama muito impulsionou o discurso contra o carvão, em prol da utilização do gás fóssil".

A organização Climáximo tem também previsto para sábado um protesto intitulado "Petróleo é má onda", durante o qual vai realizar ações em "25 praias de norte a sul do país"

"Há aqui uma maquilhagem dos números, porque, de facto, quanto à extração de gás fóssil, tanto durante o transporte, como durante a extração, as fugas podem chegar aos 7%. E, se as fugas chegarem apenas aos 3%, a extração de gás já é mais poluente que o carvão", acrescentou o ativista.

A organização Climáximo tem também previsto para sábado um protesto intitulado "Petróleo é má onda", durante o qual vai realizar ações em "25 praias de norte a sul do país", segundo informou o responsável.

A conferência sobre as alterações climática gerou, esta quinta-feira de manhã, uma fila de cerca de duas horas para a entrada dos convidados na Rua Passos Manuel, onde está montado, desde madrugada, um forte dispositivo de segurança e corte de trânsito.

Além de Barack Obama, também está prevista a presença do premiado com o Nobel da Paz Mohan Munasinghe, bem como a ex-diretora geral da UNESCO Irina Bokova e o conselheiro económico político Juan Verde.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.