Ativista política assassinada no México em dia de eleições

Uma militante do Partido dos Trabalhadores (PT, oposição) foi hoje assassinada a tiro pouco antes da abertura das assembleias de voto para as eleições no México, anunciaram as autoridades judiciais locais.

Flora Reséndiz González não resistiu aos ferimentos "após ter sido ferida por balas às 06.30 (12.30 em Lisboa)" na localidade de Pateo, município de Contepec, no estado de Michoacan (oeste), segundo um comunicado das autoridades judiciais.

O PT integra a coligação "Juntos Faremos História" liderada pelo candidato presidencial de esquerda Andrés Manuel López Obrador, 64 anos, que todas as sondagens indicam como o potencial vencedor do escrutínio.

Numa campanha eleitoral já definida por vários especialistas como "a mais violenta" da história do país, e de acordo com o gabinete de estudos Etellekt, pelo menos 145 políticos ou ativistas envolvidos foram assassinados no México, incluindo 48 candidatos ou pré-candidatos.

Pouco antes do anúncio deste assassinato, o presidente do Instituto eleitoral mexicano (INE), Lorenzo Córdova, tinha-se congratulado com uma jornada que decorria com "tranquilidade e sem incidentes graves".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.