Ativista de 19 anos cria novo partido para contestar Pequim

Principal objetivo é realizar consulta sobre independência do território.

A política de "um país, dois sistemas" está em crise, a independência de Hong Kong não é possível a curto prazo, mas é indispensável pensar no futuro do território e começar a atuar no imediato, defende Joshua Wong, fundador de um novo partido político cuja criação foi ontem anunciada.

Joshua Wong, hoje com 19 anos, foi um dos animadores do movimento que, entre setembro e dezembro de 2014, contestou as restrições impostas por Pequim ao sufrágio universal e direto para a escolha do chefe do executivo de Hong Kong, que representa a região junto da República Popular da China (RPC). Este será eleito no próximo mês de setembro.

O nome escolhido para o novo partido, Demosisto, combina o vocábulo grego "demo" (povo) com o latino "sisto" (presença, determinação), e irá apresentar candidatos às eleições para o Conselho Legislativo, a decorrer igualmente em setembro. O Conselho Legislativo (ou LegCo, como é conhecido em Hong Kong) funciona como órgão legislativo do território e 35 dos seus 70 membros são escolhidos pelo eleitorado, sendo os restantes designados numa base de representação corporativa. Apesar de ser secretário-geral do Demosisto, Wong não será candidato por não ter ainda 21 anos, a idade legal para concorrer a cargos políticos.

Os protestos de setembro a dezembro, também conhecidos como a "revolução dos chapéus-de-chuva" (utilizados para neutralizarem os disparos dos canhões de água da polícia), foram o movimento de contestação mais significativo sucedido no território desde a transição para a administração chinesa em 1997. O movimento prolongou-se por 79 dias e representou, segundo o autor de Umbrellas in Bloom (O Florescer dos Chapéu-de-chuva, em tradução literal), Jason Y. Ng, a "explosão" de "décadas de frustração social". Ouvido pela Lusa, o autor considera que, apesar de ter falhado o objetivo de se ter no território "um verdadeiro sufrágio universal e conseguir eleger diretamente o chefe do Executivo em 2017", porque "Pequim não recuou", o movimento teve o "grande ganho do despertar da consciência social" e influenciou mudanças na mentalidade política que se vive em Hong Kong. Tornou-se "difícil para o governo conseguir escapar ao escrutínio público", disse Jason Y. Ng, que no livro recolheu, entre outros, o depoimento de Wong.

Este, na conferência de apresentação do partido, salientou que o principal objetivo do Demosisto será a preparação de um referendo sobre se Hong Kong se pode autodeterminar em 2047, quando termina o período de transição de 50 anos estabelecido nos acordos de transferência de soberania. Esse referendo deve realizar-se, o mais tardar, dentro de uma década. "Sabemos que não é possível a autodeterminação numa só etapa; por isso, propomos este quadro de dez anos", afirmou Wong, salientando que parte importante da ação do Demosisto será a presença "no plano internacional" para recolher apoios para aquele fim.

Um objetivo criticado pelo campo pró-Pequim, tendo Kaizer Lau Ping-cheung, um dos colaboradores próximos do atual chefe do executivo, Leung Chun-ying, declarado que a haver um referendo sobre o futuro de Hong Kong após 2047, "primeiro tem de se consultar a opinião de 1,3 mil milhões de chineses".

A questão imediata é a de perceber como o Demosisto irá relacionar-se com o restante campo pró-democrático, que conta já com um número importante de associações e partidos, muitos destes presentes no LegCo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?