Ativista brasileira ameaçada de morte antes de sessão em tribunal sobre aborto

Debora Diniz teve de sair de casa e integrou o Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos

Uma das principais ativistas pela descriminalização do aborto no Brasil, Debora Diniz, recebeu ameaças de morte antes de uma audiência no Supremo Tribunal Federal, informou esta sexta-feira a Human Rights Watch (HRW).

Nas últimas semanas, Debora Diniz, professora de direito e cofundadora do Anis - Instituto de Bioética, uma organização não-governamental de Brasília, foi ameaçada de morte devido ao seu trabalho pela defesa do acesso ao aborto.

De acordo com a HRW, a ativista brasileira teve mesmo de sair de casa e foi incluída no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos.

Entre esta quinta-feira e 06 de agosto o Supremo Tribunal Federal realizará uma audiência pública, em Brasília, sobre uma ação que questiona a criminalização do aborto nas primeiras 12 semanas de gestação.

"É profundamente perturbador que Debora Diniz enfrente ameaças de morte e tenha que contar com proteção policial por estar a defender os direitos das mulheres, de tomar decisões fundamentais sobre os seus corpos e as suas vidas", disse José Miguel Vivanco, diretor da divisão das Américas da HRW.

"As autoridades brasileiras devem tomar medidas imediatas para garantir que todos os participantes da audiência da Suprema Corte [tribunal] possam exercer com segurança a sua liberdade de expressão", acrescentou o responsável daquela organização internacional.

Nos termos do código penal, o aborto é criminalizado e proibido no Brasil, exceto quando a gravidez resultou de violação ou ameaça à vida da mulher, ou ainda quando o feto tem anencefalia, uma má formação cerebral fatal.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.