Atentado suicida em Cabul causa pelo menos sete mortos

Um 'kamikaze' fez-se explodir em frente do Ministério do Desenvolvimento Rural, na capital do Afeganistão, fazendo vários mortos e feridos

Um atentado suicida, no horário de saída dos escritórios, em frente ao Ministério do Desenvolvimento Rural, em Cabul, causou pelo menos sete mortos e quinze feridos, segundo um balanço inicial de fonte governamental.

O 'kamikaze' que realizou o atentado chegou a pé e detonou o seu vestuário explosivo, disse o porta-voz da polícia afegã, Shashmat Stanikazai.

"Um 'kamikaze' fez-se explodir em frente do Ministério e, infelizmente, temos vítimas entre os nossos funcionários", confirmou o porta-voz do organismo estatal, Fraidoon Azhan.

Inicialmente foram referidos "seis mortos e 12 feridos, a maior parte" empregados do Ministério, mas o número aumento já para sete mortos e 15 feridos.

As autoridades disseram igualmente que "este balanço pode mudar".

A missão das Nações Unidas no Afeganistão (Manua) publicou hoje o relatório semestral sobre as vítimas civis no conflito afegão, sendo apontado um número recorde de perto de 1.700 mortos, nos primeiros seis meses do ano.

Aquele balanço é o pior registado nos dez anos em que a ONU contabiliza as vítimas do conflito entre a população, apesar dos três dias de cessar-fogo, em junho.

Metade das vítimas foram mortas em atentados, a maioria atribuídos ao grupo Estado Islâmico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.