Atentado faz pelo menos 16 mortos e 38 feridos

Veículo seria utilizado para um ato terrorista no fim do Ramadão

Pelo menos 16 pessoas morreram esta terça-feira e 38 ficaram feridas, na maioria civis, após a explosão de uma camioneta armadilhada em Kandahar, no sul do Afeganistão, no momento em que agentes da polícia tentavam desarmadilhá-la, anunciaram as autoridades.

"Os últimos números disponíveis dão conta de 16 mortos e 38 feridos levados para o hospital. Mas ainda temos ambulâncias no local porque pode haver outras vítimas sob os destroços", disse à agência de notícias France-Presse um responsável do hospital Mirwais de Kandahar.

A explosão ocorreu cerca das 12:00 (08:30 em Lisboa), no centro da cidade.

O veículo explodiu quando os polícias tentavam desarmadilhá-lo

Segundo o chefe da polícia local, Mohammad Qasim Azad, "as forças de segurança procuravam desde manhã um veículo suspeito e descobriram uma camioneta cheia de explosivos, estacionada perto de uma paragem de autocarro".

O porta-voz do governo da província, Daud Ahmadi, disse que "as forças de segurança atuavam com base numa informação".

Este responsável admitiu que a camioneta se destinava a cometer um atentado no fim do Ramadão, quando a cidade "se enche de pessoas que preparam as festividades do Eid".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.