Relatório EUA: ataques terroristas baixaram em todo o mundo

Valores dizem respeito ao ano de 2017 e representam menos 23 por cento de atentados. Também desceu o número de vítimas mortais

Os ataques terroristas baixaram 23% a nível global em 2017, e o número de mortos caiu 27% em relação a 2016, segundo o relatório anual sobre terrorismo do Departamento de Estado norte-americano, hoje divulgado.

Em 2017, registou-se um total de 8.584 ataques terroristas em todo o mundo, que fizeram 18.700 mortos e mais de 19.400 feridos, de acordo com o documento.

A queda das mortes provocadas por terrorismo é atribuída pelo departamento da Administração Trump à redução da violência no Iraque, devido à ação das forças de segurança iraquianas que, com o apoio da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos contra o grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), conseguiram recuperar em finais de 2017 o território ocupado por aquela organização extremista.

Outros países que assistiram a uma diminuição do número de ataques entre 2016 e 2017 foram a Turquia, com menos 71%, o Iémen, com menos 62%, e a Síria, com menos 61%.

Estado Islâmico continua a ser o maior responsável por atentados

De acordo com o relatório, o EI continuou a ser responsável por mais ataques e mais mortes do que qualquer outro grupo terrorista em 2017, mas reduziu em 23% o número de atentados e causou menos 53% de vítimas mortais, em comparação com 2016.

Os Estados Unidos contabilizaram atentados do EI e grupos a este associados em 20 países durante 2017, período em que manteve especial força no Afeganistão, no Paquistão, no Egito e na África Ocidental.

Durante o ano passado, com a perda de territórios na Síria e no Iraque, o grupo 'jihadista' começou a inovar usando "técnicas próprias dos rebeldes", precisou o Governo norte-americano no relatório.

O enfraquecimento do EI foi acompanhado por uma "expansão silenciosa dos membros e operações" da Al-Qaida, uma organização que mantém o seu "núcleo duro" no Afeganistão e no Paquistão, mas que expandiu a sua influência a outras áreas do globo, como a África Ocidental, onde tem uma forte presença no Mali, por exemplo.

Em conferência de imprensa telefónica, o coordenador da estratégia antiterrorista do Departamento de Estado, Nathan A. Sales, considerou que a Al-Qaida tem sido um "inimigo paciente", que aproveitou o tempo para expandir a sua influência, enquanto o EI "ocupava as manchetes da imprensa".

"Embora o EI tenha conquistado as manchetes, nós estamos decididos a lutar contra a Al-Qaida onde quer que esteja", afirmou Sales.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".