Ataque de 'hackers' desliga edições 'online' de jornais suecos

Os principais títulos da imprensa sueca ficaram offline durante cerca de três horas

As edições 'online' dos principais jornais da Suécia foram desligadas por algumas horas durante o fim de semana por 'hackers' não identificados, informou hoje fonte da polícia sueca, que já iniciou uma investigação.

O ataque foi "extremamente perigoso e sério", afirmou a responsável da Associação dos Media suecos, Jeanette Gustafsdotter, em declarações à agência de notícias sueca TT.

"Ameaçar o acesso à cobertura de notícias é uma ameaça à democracia", declarou.

Até ao momento, ninguém assumiu a responsabilidade pelos ataques que durante três horas desligaram, de forma total ou parcial, as edições 'online' dos jornais Dagens Nyheter, Svenska Dagbladet, Expressen, Aftonbladet, Dagens Industri, Sydsvenskan e Helsingborgs Dagblad.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...