Ataque aéreo no Iémen atinge autocarro com crianças

A guerra no Iémen dura há três anos e já provocou mais de dez mil mortos.

Dezenas de pessoas morreram nesta quinta-feira, incluindo um grupo de crianças que viajavam dentro de um autocarro, depois de um ataque aéreo da coligação liderada pela Arábia Saudita, na província de Saada, no norte do Iémen, informou um oficial de saúde do Iémen e o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

De acordo com a agência Reuters, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, na sigla inglesa) afirma que um autocarro que transportava crianças foi atingido no mercado de Dahyan. Na página oficial do ICRC no Twitter, o órgão diz que o hospital ao qual a Cruz Vermelha presta auxílio recebeu os corpos de 29 crianças, todas com menos de 15 anos. A unidade de saúde também recebeu 48 feridos, dos quais 30 são menores.

O oficial do Departamento de Saúde de Saada, Abdul-Ghani Sareeh, também vincou que o ataque no mercado vitimou as crianças. "Um autocarro que transportava crianças foi atingido enquanto elas vinham da escola de verão, resultando em 43 mártires e 63 feridos", afirmou.

"As nossas lojas estavam abertas e havia pessoas a passear como é costume. Todas as pessoas que morreram eram residentes, crianças e donos de lojas", disse à agência Reuters Moussa Abdullah, uma testemunha que ficou ferida e estava a ser tratada no hospital.

A guerra no Iémen dura há três anos e decorre de um conflito entre Arábia Saudita e os muçulmanos sunitas contra os houthis, um movimento político-partidário maioritariamente xiita e que controla a capital Saná e o norte do país. A revolta dos houthis (apoiados pelo Irão) levou ao exílio do governo reconhecido internacionalmente em 2014. Os EUA e outros aliados ocidentais forneceram armamento e serviços de informação à coligação e vários grupos de direitos humanos criticaram a ação dos países ocidentais, por alegadamente terem contribuído para a morte de centenas de civis.

O representante da Organização Mundial da Saúde no Iémen, Nevio Zagaria, confirmou a ativação de um mecanismo de mantimentos de emergência. "Estou extremamente triste, o ataque não é aceitável", considerou.

A guerra no Iémen já matou mais de dez mil pessoas e desalojou mais de dois milhões de civis, de acordo com as Nações Unidas.

O conflito do Iémen começou com uma guerra civil, mas rapidamente se transformou numa guerra por procuração entre a Arábia Saudita e o Irão. Os sauditas têm acusado o Irão de fornecer os mísseis com que os houthis já tentaram atingir Riade. O Irão desmente envolvimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.