Ataque aéreo no Iémen atinge autocarro com crianças

A guerra no Iémen dura há três anos e já provocou mais de dez mil mortos.

Dezenas de pessoas morreram nesta quinta-feira, incluindo um grupo de crianças que viajavam dentro de um autocarro, depois de um ataque aéreo da coligação liderada pela Arábia Saudita, na província de Saada, no norte do Iémen, informou um oficial de saúde do Iémen e o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

De acordo com a agência Reuters, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, na sigla inglesa) afirma que um autocarro que transportava crianças foi atingido no mercado de Dahyan. Na página oficial do ICRC no Twitter, o órgão diz que o hospital ao qual a Cruz Vermelha presta auxílio recebeu os corpos de 29 crianças, todas com menos de 15 anos. A unidade de saúde também recebeu 48 feridos, dos quais 30 são menores.

O oficial do Departamento de Saúde de Saada, Abdul-Ghani Sareeh, também vincou que o ataque no mercado vitimou as crianças. "Um autocarro que transportava crianças foi atingido enquanto elas vinham da escola de verão, resultando em 43 mártires e 63 feridos", afirmou.

"As nossas lojas estavam abertas e havia pessoas a passear como é costume. Todas as pessoas que morreram eram residentes, crianças e donos de lojas", disse à agência Reuters Moussa Abdullah, uma testemunha que ficou ferida e estava a ser tratada no hospital.

A guerra no Iémen dura há três anos e decorre de um conflito entre Arábia Saudita e os muçulmanos sunitas contra os houthis, um movimento político-partidário maioritariamente xiita e que controla a capital Saná e o norte do país. A revolta dos houthis (apoiados pelo Irão) levou ao exílio do governo reconhecido internacionalmente em 2014. Os EUA e outros aliados ocidentais forneceram armamento e serviços de informação à coligação e vários grupos de direitos humanos criticaram a ação dos países ocidentais, por alegadamente terem contribuído para a morte de centenas de civis.

O representante da Organização Mundial da Saúde no Iémen, Nevio Zagaria, confirmou a ativação de um mecanismo de mantimentos de emergência. "Estou extremamente triste, o ataque não é aceitável", considerou.

A guerra no Iémen já matou mais de dez mil pessoas e desalojou mais de dois milhões de civis, de acordo com as Nações Unidas.

O conflito do Iémen começou com uma guerra civil, mas rapidamente se transformou numa guerra por procuração entre a Arábia Saudita e o Irão. Os sauditas têm acusado o Irão de fornecer os mísseis com que os houthis já tentaram atingir Riade. O Irão desmente envolvimento.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.