Astronautas da Estação Espacial Internacional enfrentam fuga de ar

Problema foi detetado nos compartimentos laterais da nave russa Soyuz enquanto se fechava as escotilhas

Os astronautas da Estação Espacial Internacional (EEI) tiveram de lidar com uma fuga de ar que pode ter sido causada pelo impacto de um fragmento rochoso que voava pelo espaço a alta velocidade.

Segundo a BBC, os astronautas estavam a dormir no momento em que se deu o incidente, mas foram instruídos para resolver o problema na manhã da última quinta-feira.

Inicialmente, os controladores da missão foram alertados para uma redução da pressão do ar na última quarta-feira, enquanto se fechava as escotilhas dos compartimentos laterais da nave espacial russa Soyuz. Só no dia seguinte os astronautas descobriram o problema e taparam o buraco de dois milímetros de diâmetro com a ajuda de um selante e fita adesiva.

O furo foi confirmado pelo astronauta alemão Alexander Gerst, que passou um dos seus dedos pelo furo, e foi resolvido de imediato, através de um selante e fita adesiva.

A Soyuz foi utilizada no passado dia 8 de junho para trazer, para além de Gerst, a astronauta norte-americana Serena Auñón-Chancellor e o cosmonauta russo Sergei Prokopyeve. É através do mesmo veículo que o trio deverá regressar à Terra no final de 2018.

"Durante a noite, e de manhã, houve uma situação anormal - uma queda de pressão, uma fuga de oxigénio na estação. Foi encontrada uma microfratura, mais provavelmente danos do exterior. Os engenheiros do projeto acreditam que é o resultado de um meteorito", disse o chefe da agência espacial federal Roscosmos, Dmitry Rogozin, citado pelas agências de notícias russas.

De acordo com o The Telegraph , se o problema não tivesse sido detetado, a tripulação podia ficar ser ar ao fim de 18 dias.

Os controladores da missão em Houston, Texas e Moscovo dizem que nenhum dos seis elementos da equipa encontra-se em perigo.

Os astronautas estão a cooperar com engenheiros no terreno, de maneira a verificar se é necessário fazer uma reparação mais robusta.

Apesar de a Estação Espacial Internacional ter sido concebida para suportar bombardeios de meteoroides, é comum encontrar estes corpos celestes a pairarem sobre a Terra, o que pode constituir uma ameaça à segurança da estrutura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.