Astronautas da Estação Espacial Internacional enfrentam fuga de ar

Problema foi detetado nos compartimentos laterais da nave russa Soyuz enquanto se fechava as escotilhas

Os astronautas da Estação Espacial Internacional (EEI) tiveram de lidar com uma fuga de ar que pode ter sido causada pelo impacto de um fragmento rochoso que voava pelo espaço a alta velocidade.

Segundo a BBC, os astronautas estavam a dormir no momento em que se deu o incidente, mas foram instruídos para resolver o problema na manhã da última quinta-feira.

Inicialmente, os controladores da missão foram alertados para uma redução da pressão do ar na última quarta-feira, enquanto se fechava as escotilhas dos compartimentos laterais da nave espacial russa Soyuz. Só no dia seguinte os astronautas descobriram o problema e taparam o buraco de dois milímetros de diâmetro com a ajuda de um selante e fita adesiva.

O furo foi confirmado pelo astronauta alemão Alexander Gerst, que passou um dos seus dedos pelo furo, e foi resolvido de imediato, através de um selante e fita adesiva.

A Soyuz foi utilizada no passado dia 8 de junho para trazer, para além de Gerst, a astronauta norte-americana Serena Auñón-Chancellor e o cosmonauta russo Sergei Prokopyeve. É através do mesmo veículo que o trio deverá regressar à Terra no final de 2018.

"Durante a noite, e de manhã, houve uma situação anormal - uma queda de pressão, uma fuga de oxigénio na estação. Foi encontrada uma microfratura, mais provavelmente danos do exterior. Os engenheiros do projeto acreditam que é o resultado de um meteorito", disse o chefe da agência espacial federal Roscosmos, Dmitry Rogozin, citado pelas agências de notícias russas.

De acordo com o The Telegraph , se o problema não tivesse sido detetado, a tripulação podia ficar ser ar ao fim de 18 dias.

Os controladores da missão em Houston, Texas e Moscovo dizem que nenhum dos seis elementos da equipa encontra-se em perigo.

Os astronautas estão a cooperar com engenheiros no terreno, de maneira a verificar se é necessário fazer uma reparação mais robusta.

Apesar de a Estação Espacial Internacional ter sido concebida para suportar bombardeios de meteoroides, é comum encontrar estes corpos celestes a pairarem sobre a Terra, o que pode constituir uma ameaça à segurança da estrutura.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.