Assinado acordo histórico para mudar nome da Macedónia

"Um passo histórico para fechar as feridas do passado, para abrir o caminho para a cooperação dos nossos países, dos Balcãs e de toda a Europa", disse o primeiro-ministro da Grécia

Os ministros grego e macedónio dos Negócios Estrangeiros assinaram este domingo um acordo histórico para alterar o nome da ex-república jugoslava da Macedónia para República da Macedónia do Norte, abrindo-lhe o caminho para pertencer à UE e à ONU.

Cumprimos hoje o nosso dever patriótico

Além do ministro grego, Nikos Kotzias, e macedónio, Nikola Dimitrov, estiveram na cerimónia, realizada nas margens do lago da fronteira de Prespes, os primeiros-ministros Alexis Zipras e Zoran Zaev, o negociador da ONU Matthew Nimetz e a diplomata da União Europeia (UE) Federica Mohgherini.

"Cumprimos hoje o nosso dever patriótico (...), um passo histórico para fechar as feridas do passado, para abrir o caminho para a cooperação dos nossos países, dos Balcãs e de toda a Europa", disse Tsipras.

Este acordo, que deve entrar em vigor dentro de seis meses, coloca um fim numa querela político-semântica de 27 anos

"Este passo não deve ser suspenso (...), porque damos um exemplo para construir o futuro contra o ódio", acrescentou.

Este acordo, que deve entrar em vigor dentro de seis meses, coloca um fim numa querela político-semântica de 27 anos.

Atenas era contra a utilização do nome Macedónia por outro país, porque poderia levar a que este país vizinho reivindicasse o território de uma região do norte da Grécia com o mesmo nome.

Com este acordo, a Grécia deve levantar o seu veto grego à entrada da Macedónia na União Europeia e na NATO

Pelo seu lado, a ex-república jugoslava tem aspirações de entrar na União Europeia e na NATO, o que estava a ser dificultado pelo veto da Grécia, membro das duas organizações.

Com este acordo, a Grécia deve levantar o seu veto grego à entrada da Macedónia na União Europeia e na NATO.

Do lado macedónio, o acordo deve ainda ser ratificado pelo parlamento, aprovado por referendo e publicado numa emenda constitucional.

Será de seguida submetido à ratificação do parlamento grego.

Se o acordo tropeçar do lado macedónio, a integração euro-atlântica de Skopje será interrompida, advertiu Tsipras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.