Assessores de deputados trocam cromos na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

As imagens foram partilhadas nas redes sociais. Inicialmente, foi dito que se tratavam de deputados, algo que foi esclarecido pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

Dois assessores de deputados brasileiros trocaram cromos, de forma a completar uma caderneta alusiva ao Mundial 2018, que se realiza na Rússia, durante uma sessão da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

As imagens, publicadas em primeiro lugar no Twitter, numa publicação que já desapareceu, traziam uma legenda em que era alegado tratarem-se de dois deputados.

O utilizador do Twitter que partilhou a situação, afirma que a situação aconteceu a meio de uma votação. Mais concretamente, era discutido o direito dos polícias civis no estado do Rio de Janeiro acumularem o cargo de professor, o que é proibido.

A Alerj usou também o Twitter para explicar que não eram deputados, "mas sim assessores de dois deputados". Assumem que a atitude "não é justificável, mas aconteceu durante um intervalo da sessão".

O mesmo utilizador que partilhou as imagens em primeiro lugar - noutra publicação que também já não existe - diz ter imagens que mostram que a troca de cromos aconteceu precisamente durante a sessão e a votação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.