Assassino de Maëlys diz que matou a menina com uma bofetada na cara

Nordahl Lelandais, acusado do homicídio da menina luso-descendente, disse ter-lhe "dado uma bofetada com as costas da mão, violenta, na cara" na sequência de um ataque de pânico

O cidadão francês formalmente acusado do homicídio da menina luso-descendente Maëlys, em França, no Verão passado, atribuiu a morte a uma bofetada que lhe deu quando ela entrou em pânico dentro da viatura, indicaram esta sexta-feira fontes concordantes.

De acordo com a versão que o ex-treinador de cães do exército Nordahl Lelandais, de 35 anos, partilhou na sua audição pelos juízes de instrução a 19 de março, a criança de oito anos, desaparecida durante uma festa de casamento no fim de agosto em Pont-de-Beauvoisin, no centro-leste de França, entrou no carro para ir ver os cães de Lelandais, segundo uma fonte próxima do inquérito.

Mas no caminho, a criança terá entrado em pânico e pedido para voltarem para trás, aos gritos, e Nordahl Lelandais disse ter então "dado uma bofetada com as costas da mão, violenta, na cara" da menina, sentada à sua direita, no lugar do pendura, enquanto ele conduzia, relatou a mesma fonte.

Vendo a criança desmaiada, parou e, ao tomar-lhe o pulso, "constatou que ela já não respirava", prosseguiu a fonte.

"Depositou-a", então, no barracão perto da casa dos seus pais, onde reside, em Domessin, "livrou-se dos seus calções manchados de sangue e regressou ao casamento", acrescentou.

No início deste caso, Lelandais afirmou que se tinha desfeito das suas roupas, nunca encontradas, porque estavam manchadas com vinho.

Mais tarde, na mesma noite, enquanto a família da criança começava a procurá-la, o homem disse ter voltado ao barracão para ir buscar o corpo e levá-lo para o local onde acabou por levar os investigadores, quase seis meses depois, a 14 de fevereiro, nos desfiladeiros íngremes do maciço de Chartreuse.

"Esta versão é audível, as investigações prosseguem", declarou à agência de notícias francesa AFP uma outra fonte próxima do caso, sem se pronunciar sobre "se dar uma bofetada, ainda que forte, a uma criança pode matá-la".

Quanto à fratura do maxilar superior identificada nos ossos da menina, "ela pode ter sido originada por uma pancada ou um impacto violento".

Para a primeira fonte, Nordahl Lelandais "está a tentar argumentar que o ato de violência causou a morte sem intenção de o fazer", "a mesma estratégia" que no caso da morte de Arthur Noyer, o jovem militar com quem o suspeito afirma ter lutado e ter-lhe dado uma pancada que provocou uma queda fatal, em abril de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.