Assange pode ser expulso da embaixada do Equador esta semana

O jornalista americano Glenn Greenwald cita fontes diplomáticas equatorianas que falam num acordo com o governo inglês para entregar Julian Assange nas próximas semanas

Lenin Moreno, o presidente equatoriano, viajou para Londres na passada sexta-feira. Na sua agenda pode ter estado um encontro com as autoridades inglesas para pôr termo a seis anos de asilo diplomático, na embaixada de Quito em Londres, concedido ao fundador da Wikileaks, Julian Assange.

Se o relato, publicado no jornal online The Intercept, estiver certo, Assange pode ser retirado da embaixada onde se refugiou, em 2012, para escapar às acusações de que era alvo na Suécia (assédio sexual) mas, sobretudo, a uma eventual extradição para os EUA.

Glenn Grenwald (o jornalista que investigou as acusações de Edward Snowden sobre o alcance da política de vigilância da NSA e do governo dos EUA), revela ainda que Moreno se reunirá em Madrid com responsáveis de um governo particularmente hostil para Assange, depois da sua posição sobre a independência da Catalunha.

Assange está, há três meses, proibido de usar a rede de internet da embaixada o que o deixa completamente isolado e sem comunicações com o exterior.

Fontes próximas do ministério dos Negócios Estrangeiros do Equador, citadas por Greenwald, revelam que Moreno pode ter já um acordo com o Reino Unido para entregar Assange "nas próximas semanas". A retirada do asilo e a expulsão da embaixada pode acontecer "já esta semana".

Há uma série de contrapartidas exigidas pelo Equador nessa decisão. Uma delas é a garantia de que Assange não será extraditado para os EUA.

A única acusação judicial que existe contra Assange é a que resulta da sua tentativa, bem sucedida, de escapar às autoridades em 2012 - quando estava em vias de ser extraditado para a Suécia. É um crime menor, punível com três meses de prisão.

Em maio de 2017 as autoridades judiciais suecas arquivaram o processo em que Assange era acusado de assédio sexual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.