Assange pode ser expulso da embaixada do Equador esta semana

O jornalista americano Glenn Greenwald cita fontes diplomáticas equatorianas que falam num acordo com o governo inglês para entregar Julian Assange nas próximas semanas

Lenin Moreno, o presidente equatoriano, viajou para Londres na passada sexta-feira. Na sua agenda pode ter estado um encontro com as autoridades inglesas para pôr termo a seis anos de asilo diplomático, na embaixada de Quito em Londres, concedido ao fundador da Wikileaks, Julian Assange.

Se o relato, publicado no jornal online The Intercept, estiver certo, Assange pode ser retirado da embaixada onde se refugiou, em 2012, para escapar às acusações de que era alvo na Suécia (assédio sexual) mas, sobretudo, a uma eventual extradição para os EUA.

Glenn Grenwald (o jornalista que investigou as acusações de Edward Snowden sobre o alcance da política de vigilância da NSA e do governo dos EUA), revela ainda que Moreno se reunirá em Madrid com responsáveis de um governo particularmente hostil para Assange, depois da sua posição sobre a independência da Catalunha.

Assange está, há três meses, proibido de usar a rede de internet da embaixada o que o deixa completamente isolado e sem comunicações com o exterior.

Fontes próximas do ministério dos Negócios Estrangeiros do Equador, citadas por Greenwald, revelam que Moreno pode ter já um acordo com o Reino Unido para entregar Assange "nas próximas semanas". A retirada do asilo e a expulsão da embaixada pode acontecer "já esta semana".

Há uma série de contrapartidas exigidas pelo Equador nessa decisão. Uma delas é a garantia de que Assange não será extraditado para os EUA.

A única acusação judicial que existe contra Assange é a que resulta da sua tentativa, bem sucedida, de escapar às autoridades em 2012 - quando estava em vias de ser extraditado para a Suécia. É um crime menor, punível com três meses de prisão.

Em maio de 2017 as autoridades judiciais suecas arquivaram o processo em que Assange era acusado de assédio sexual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.