Assange ficou sem net. E há quem diga que a culpa é de Hillary Clinton

Várias pessoas acreditam que Hillary Clinton está por trás do ataque informático ao criador do Wikileaks

O fundador da Wikileaks, que está exilado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, ficou sem ligação à Internet esta segunda-feira, e alega que a ligação foi cortada por uma "entidade estatal".

A revelação foi feita através de uma publicação da Wikileaks no Twitter, em que a organização também diz que "ativou o plano de contingência devido".

A Wikileaks tem feito uma série de revelações sobre a candidata democrata às presidenciais norte-americanas e divulgou este domingo e-mails com discursos pagos que Hillary Clinton fez para o banco de investimento Goldman Sachs, expondo laços entre a candidata e Wall Street.

Hillary Clinton não fez nenhum comentário sobre estas últimas revelações, o que ajudou muitos utilizadores das redes sociais a tecerem teorias da conspiração,

"Literalmente 10 anos de bipartidarismo do Wikileaks e Assange tinha internet. Ele mete-se com a Clinton e 8 dias depois vai abaixo", escreve um utilizador.

Outro utilizador, que se identifica como pertencendo ao grupo de piratas informáticos Anonymous, diz que a internet de Assange foi cortada por ele ter criticado Hillary Clinton.

A hashtag Free Julian renasceu após a internet do criador da Wikilieaks ter sido cortada e várias pessoas voltaram a expressar o seu apoio a Assange e à divulgação de documentos secretos.

"Ao cortar a internet de Julian, o estado acabou de confirmar que os e-mails [sobre Hillary Clinton] são verdadeiros", comenta outro utilizador.

Alguns dizem que Julian Assange está morto, a mando de Hillary Clinton, e por isso tem sido impossível contactá-lo durante o dia de hoje. Além disso, antes de ser anunciado que Assange estaria sem acesso à internet, o Wikileaks publicou uma série de letras e números aparentemente sem sentido que muitos dizem ser códigos que Assange revelou antes de morrer para serem desvendados.

Numa das suas publicações deste mês, a Wikileaks mostrou que, enquanto era Secretária de Estado, Hillary Clinton tinha perguntado se Assange não poderia ser silenciado usando um drone.

"Se Julian Assange morrer ou desaparecer todos saberemos que a culpa é da Hillary", escreve outro utilizador.

As informações da Wikileaks foram retiradas do correio eletrónico do diretor de campanha de Clinton, John Podesta, e têm causado grande reboliço na corrida presidencial. A Wikileaks tinha anunciado no passado que continha informações "sensíveis" que poderiam mudar o rumo da campanha.

Até ao momento, a reputação de Hillary Clinton foi a mais afetada.

Exclusivos