Assange avisou que tinha emails para prejudicar Hillary Clinton

Há seis semanas que o fundador do WikiLeaks tinha anunciado que tinha em seu poder material "bom" sobre a candidata democrata à Casa Branca

Julian Assange avisou, há já seis semanas, que tinha "emails sobre Hillary Clinton que aguardavam publicação" no Wikileaks. Segundo o que o fundador do site disse numa entrevista à estação britânica ITV, tratava-se de material "bom" que poderia prejudicar a agora candidata à Casa Branca pelos democratas.

A convenção do partido arrancou sob a sombra da divulgação, durante o fim de semana, de quase 20.000 mensagens eletrónicas trocadas entre janeiro de 2015 e maio de 2016, adquiridos por piratas eletrónicos que alegadamente invadiram as contas de sete líderes do Comité Nacional Democrático. Essas mensagens revelavam que líderes do partido tentaram prejudicar a campanha de Bernie Sanders, concorrente à nomeação para as presidenciais de novembro.

A divulgação dos documentos levou o FBI a abrir uma investigação e à demissão da presidente do Comité Nacional Democrático, Debbie Wasserman Schultz.

A campanha de Clinton, entretanto, está a tentar impor a ideia de que a Rússia esteve por detrás da fuga de mensagens para ajudar à vitória do republicano Donald Trump.

Na entrevista à ITV, há seis semanas, Julian Assange admitia que era um opositor de Hillary Clinton por razões políticas e pessoais, recorda o The New York Times. Questionado diretamente se preferia Donald Trump como presidente, Assange afirmou que o republicano era "completamente imprevísivel" enquanto que em relação a Hillary Clinton era previsível que esta iria exercer o seu poder de duas formas que ele considerava problemáticas, tendo em conta o que fizera no passado, como um entrave à liberdade de imprensa e como apoiante de uma intervenção na Líbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.