As pessoas estão a comprar o livro errado. Há outro "Fire and Fury"

Um tem 10 anos e é sobre a segunda guerra mundial. Outro relançou o debate sobre a sanidade mental de Trump

A muita publicidade a "Fire and Fury", que relançou o debate sobre a sanidade mental de Donald Trump, está a fazer disparar as vendas de uma outra obra com o mesmo título e já lançada há cerca de 10 anos. Trata-se de uma obra de um professor universitário canadiano sobre a segunda guerra mundial e que, apesar de ter sido um best-seller, não estava agora propriamente entre as prioridades dos consumidores.

"Fire and Fury, The Allied Bombing of Germany, 1942-1945", de Randall Hansen, saltou para o top de três rankings de vendas da Amazon. O autor regista a surpresa com o sucesso repentino.

"Incrível, as vendas do meu [livro] aumentaram. Terei de pagar royalties a Bannon e Trump? Se sim, a ironia não terá limites", escreveu no Twitter.

O outro livro, "Fire and Fury: Inside the Trump White House", é da autoria do jornalista Michael Wolff, apresenta uma Casa Branca caótica e classifica Donald Trump como imaturo.

Esta obra, que também já está nos tops, reúne uma série de revelações explosivas, resultado de mais de 200 entrevistas, incluindo as conversações entre Donald Trump e responsáveis da Casa Branca.

Entre as revelações encontra-se a de que o candidato republicano nunca esperou ganhar as eleições presidenciais de 2016, em que concorreu com a democrata Hillary Clinton, e a de que Trump acreditava que sua nomeação presidencial iria impulsionar a sua marca e desfrutar de "incontáveis oportunidades".

De acordo com o The Guardian, Steve Bannon descreveu um encontro na Torre Trump, em Nova Iorque, entre Donald Trump Jr., assessores de campanha de Trump e um advogado russo, acusando o filho do Presidente dos Estados Unidos de "traição" e "falta de patriotismo".

Entre as alegações desta obra está também aquela de que Trump nunca acreditou que iria ganhar a corrida e que a sua equipa não acredita que ele seja capaz de desempenhar o cargo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.