As mensagens privadas no Facebook são mesmo privadas?

Empresa tem ferramentas para detetar conteúdos perigosos e que violem as regras da comunidade

O Facebook confirmou que usa ferramentas automáticas para analisar as mensagens enviadas e recebidas no Messenger (o chat do Facebook), para procurar software malicioso e imagens de pornografia infantil, por exemplo.

É também permitido aos utilizadores reportarem e denunciarem situações que possam violar regras e normas da comunidade. Os moderadores, explica a CNN, têm a função de rever mensagens que são assinaladas, quer por utilizadores quer pelas ferramentas e sistemas automáticos de leitura e identificação.

A cadeia de televisão refere ainda que, embora o Facebook seja claro já há muito tempo sobre o facto de ter funcionários para reverem publicações, a maioria dos utilizadores pensa que as mensagens que enviam e recebem no Messenger são privadas.

O Facebook refere que é uma prioridade as mensagens serem privadas, mas não deixa de defender as ferramentas, dizendo também que são "similares às que outras empresas usam." "O conteúdo das mensagens entre pessoas não é usado para publicidade. Não ouvimos as vossas chamadas de voz e vídeo", referiu ainda a empresa em comunicado.

O Messenger veio à tona da discussão que envolve o Facebook e a privacidade e proteção de dados quando Mark Zuckerberg referiu que a empresa tinha "detetado" determinadas mensagens em Myanmar. Zuckerberg disse assim que os sistemas estão a "detetar o que se passa", num caso de desinformação que está a aumentar a violência contra a minoria rohingya.

Com várias mudanças na política de privacidade nos últimos tempos, algo que advém também do escândalo com a Cambridge Analytica, Zuckerberg referiu também que existe "muita falta de perceção" relativamente ao que o Facebook faz relativamente aos dados e à informação.

Ler mais

Exclusivos